Voltar à Página da AGB-Nacional
                                                                                            

   

 

X SIMPÓSIO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA FÍSICA APLICADA

 

 

 

 

AS QUESTÕES AMBIENTAIS NAS ESCOLAS ESTADUAIS DA QUARTA COLÔNIA – RS (PROPOSTA DE TRABALHO)

 

 

 

Gicele Stefanello1;

Bernardo Sayão Penna e Souza2.

 

 

1Graduando do Curso de Geografia - UFSM, gigistefa@bol.com.br

2Prof. Adj.Dr. Dep. Geociências/CCNE/UFSM; bernardosps@bol.com.br

Universidade Federal de Santa Maria

 

 

 

Palavras-chave: Educação ambiental; Geografia Física; Quarta Colônia

2. Aplicação da Geografia Física à Extensão

2.1. Projetos e ações junto à comunidade

 

 

 

 

 

Introdução

Nos últimos anos, a sociedade como um todo começou a perceber a falta de conscientização dos ocupantes de seus espaços frente ao meio em que vivem. Dessa forma, inúmeras cobranças dirigiram-se tanto para as instituições privadas como públicas, na tentativa de uma explicação mais detalhada e correta aos acontecimentos. Nesse momento verifica-se, nas escolas, uma cobrança bastante acentuada, visto que a mesma, teoricamente, possui a capacidade de formar cidadãos capazes de tornarem para si futuras responsabilidades.

Desse modo as escolas distribuídas nos municípios integrantes da Quarta Colônia se demonstram desinteressadas diante do termo relevante.

A Quarta Colônia de Imigração Italiana do Rio Grande do Sul, área a ser estudada, localiza-se na região Central do estado do Rio Grande do Sul, sendo formada pelos municípios de Dona Francisca, Faxinal do Soturno, Ivorá, Nova Palma, Pinhal Grande (Bairro Limeira e Bairro São José), São João do Polesine e Silveira Martins.

Esses municípios apresentam car4acteristicas em comum no que se refere aos aspectos históricos e socioeconômicos, pois todos os municípios foram colonizados por imigrantes Italianos que fundaram em 1877 o povoado de Silveira Martins e após expandiram-se, fundado outros núcleos, alguns deles, hoje municípios formadores da Quarta Colônia. Nesses municípios fazem parte as respectivas escolas estaduais: Escola Estadual De Ensino Médio Maria Ilha Baisch, Escola Estadual de 1 e 2 Graus  Dom Antonio Reis, Escola Estadual de 1º e 2º Graus Padre Pedro Marcelino Copetti, Escola de Educação Básica Tiradentes, Escola Estadual de Educação Básica Rui Barbosa e Escola Estadual de Ensino Fundamental José Rubim Filho, Escola estadual de 1º e 2º Graus João XXIII e Escola Estadual de Ensino Básico Bom Conselho.

Conhecendo-lhe a realidade da problemática ambiental dos municípios da Quarta Colônia, e da urgência em minimizar ou superar os problemas ambiental, reconhece-se a necessidade de implementação de programas ambientais, que atenda não só os alunos mas todo a comunidade desta região, tornando o meio em que habitamos, mais social, apresentando condições de vida melhor, fazendo com que a consciência ambiental seja vista de maneira ampla por toda a população, seja ela criança, adulta ou idosa.

A Questão Ambiental, desvalorizada nas escolas hoje, pode ser justificada pela falta de professores qualificados para tratar das questões ambientais em sala de aula. Verifica-se que nessas escolas não existe docentes preparados para a mediação do ensino, a aprendizagem dos alunos, tornando essa abordagem diversificada de conceitos e conteúdos vulneráveis.

A educação Ambiental hoje é muito complexa, que muitas pessoas acham difícil de trabalhar.

De acordo com BÖER(1993,p:39).

 

...”O tema educação ambiental vai muito além de uma simples disciplina. Envolve discussões de novos valores, de novos comportamentos, buscando preparar as pessoas a refletirem entre si mesmas e a participarem do processo de transformação social”.

 

É nesse contesto que merece destaque a importância de uma base educacional capaz de despertar, em 1ª instância, nos jovens, a valorização do meio em que vivem, isto é, fazer com que estes passam a olhar de forma construtiva, pois olhar é a construção social que vai se transformando com o tempo, com o acumulo de conhecimento o local do habitat podendo, a partir disso preserva-lo.

Segundo Jùlio Lorenzoni (2002, pg.2), “...sem o conhecimento o nosso olhar é incompleto, superficial, mágico e não permite a realidade de forma objetiva e critica.”

Diante do exposto, o presente estudo com a iniciativa dos alunos, refere-se a uma melhoria nas áreas com necessidade de mudanças podendo ver as naturezas da Quarta Colônia com suas áreas verdes e sem problemas ambientais.

 

Objetivos

-   Incentivar as escolas estaduais do município de Nova Palma, juntamente com os alunos, para terem uma visão mais ampla sobre a questão ambiental;

-   Incentivar a prefeitura municipal do município de Nova Palma para tomar iniciativas nas áreas onde os problemas ambientais se destacam;

-   Diagnosticar junto às escolas estaduais de N.P., a falta de infraestrutura e material de apoio aos professores nas aulas com atividades relacionadas ao tema;

-   Mostrar aos alunos das escolas estaduais de Nova Palma que coletas seletivas de lixo, é uma das atividades que possa diminuir o problema ambiental ensinando a separação dos mesmos

 

Metodologia

O projeto de pesquisa utilizar-se-á de duas etapas, onde a 1ª será o conhecimento geográfico da evolução da área a ser estudado até os dias atuais, ressaltando a visão ambiental desse período necessitando de uma visão empírica sobre a área à ser analisada.

A segunda etapa será utilizada fontes sendo elas primárias e secundárias. Como fontes secundárias será necessário um apoio teórico – metodológico que vise a demarcação do tema em estudo com referencia bibliográfica apoiadas em estudos pertinentes.

Já nas fontes primárias, será feito trabalho de campo, questionários obtendo questões que envolvam o antes e o depois da área afetada com os problemas. Quais são os agentes principais que vem aumentando a questão se devido os lixos jogados nos rios, que contaminam as águas, prejudicando a saúde da população. O que eles sugerem para a melhoria dessa situação. Passar aos alunos que alertam seus pais agricultores que  venenos em lavouras, não joguem utensílios em áreas abertas, principalmente em rios, para não haver contaminação. Serão feitas entrevistas com professores o porque de nosso o incentivo a esse tema com os alunos, e pedir aos alunos o que eles acham dessa questão “educação ambiental”.

Posteriormente, de posse das informações recolhidas partir-se-á á elaboração de propostas que visem a valorização da questão ambiental da área estudada onde possamos conscientizar os alunos e professores a prestigiar a natureza, meio em que vivemos.

 

Revisão Bibliográfica

O homem desde a sua origem apropria-se da natureza a fim de transforma-la e adapta-la as suas necessidades, desta forma, torna a natureza um objeto possível de manipulação e conquista, legitimando uma política de domínio.

Sobre a questão ambiental brasileira, podemos nos remeter ao passado colonial, enfrentando desde o principio, ações exploratória e devastadora, pois a natureza brasileira era vista como fonte de recursos inesgotáveis.

A industrialização no Brasil, apesar de acontecer tardiamente, também está vinculada a utilização desenfreada dos recursos naturais, a degradação, a poluição e a contaminação do meio ambiente.

Como destaca Muller (1997 p. 20),

 

“Em países como o Brasil e os demais chamados em desenvolvimento, os problemas ambientais típicos das sociedades industriais se agravam, combinados com aqueles aliados á pobreza e a justiça social”.

 

O Rio Grande do Sul, mais direcionado a área em estudo, Quarta Colônia, embora tenha sido colonizado mais tarde que o restante do país, apresenta inúmeros problemas ambientais, pois desde a chegada dos colonizadores, os recursos naturais passaram a ser explorados de forma desordenada, e estes se agravaram com a intensificação de atividades agrícola, por todas as ares.

Como afirma Roth (1996 p. 35).

 

“Práticas de agricultura errônea, como as monoculturas em pouco tempo, esgotam solos e destroem ecossistemas. Quando um único tipo de vegetal se instala numa determinada área, faz com que, em pouco tempo, ocorra uma insuficiência de determinados tipos de matéria prima”.

 

A educação ambiental é um processo contínuo e não deve ser exclusivamente das escolas, implicam num processo de reflexão e tomada de consciência, mobilização e a participação cidadã, na busca de melhor qualidade de vida.

Segundo Castro e Spazziani Apud Noal, REIGOTA, BARCELLOS (1998 p. 195).

 

“Devo promover o desenvolvimento de hábitos e atitudes sadios de conservação ambiental e respeito à natureza, a partir do cotidiano de vida da escola e da sociedade”.

 

Uma função muita favorecida a questão educação ambiental é apresentar soluções para problemas que afetam o meio ambiente.

Segundo o IBAMA (1993) a educação ambiental apresenta algumas finalidades.

 

-“Compreensão da natureza complexa do meio ambiente resultante da interação de seus aspectos físicos, biológicos, sociais e culturais.

-Participação responsável e eficaz da população na concepção e aplicação das decisões que põem em jogo a qualidade do meio natural, social e cultural.

-Desenvolver sentido de responsabilidade e solidariedade entre os povos, na busca de uma ordem internacional que garanta a conservação e melhoria do meio ambiente.”

 

A educação ambiental, através de situações problemas poderá permitir a integração dos professores das diversas áreas de conhecimento.

Como destaca Müller (1997 p. 34).

 

“A construção dos marcos referenciais convergentes possibilitará, ao longo do processo educacional, a construção da interdisciplinaridade que, por sua vez, necessita progressiva estimulação e envolvimento dos demais professores em um projeto educacional. Estas estimulações devem ser direcionadas para a progressiva e contínua aproximação das demais áreas nos problemas ambientais”.

 

Os problemas ambientais urbanos crescem juntamente com o desenvolvimento das cidades, destacando-se entre os principais, os esgotos sem tratamento, que correm a céu aberto ou se destinam, para córregos ou rios, falta de um programa de recolhimento seletivo de lixo e o acumulo de lixo em terrenos baldios, o que provoca a disseminação de insetos e animais transmissores de doenças e as enchentes.

Sabe-se, no entanto, que uma mudança rápida nas atitudes da população é quase impossível, por isso propõe-se uma educação ambiental que se inicie na escola em todos os níveis de ensino e aliada ao processo educativo, e que desenvolve de forma interdisciplinar e também através da geografia escolar, adaptando a necessidade de cada município ou localidade.

Pois segundo Oliveira (1989 p. 142).

 

“Cabe a geografia levar a compreender o espaço produzido pela sociedade em que vivemos hoje, suas desigualdades e contradições, as relações de produção que nela se desenvolvem e a apropriação que essa sociedade faz da natureza”.

 

Desta forma, a educação ambiental será um processo gradativo que influenciará na formação dos valores e atitudes dos educandos, que por sua vez difundirão esses novos valores e atitudes em meio aos familiares e comunidade extra-escolar.

 

Resultados

A partir dos resultados aplicados com os professores de geografia nas escolas estaduais do município de Nova Palma, pode-se perceber que na Escola de Ensino Fundamental Pe. João Zanella, situada na localidade de Vila Cruz, há grande incentivo no assunto Questão Ambiental aplicada com os alunos, abrangendo todas as séries, através do projeto “Flora Nativa”, o qual tem como alguns objetivos: - conhecer a flora predominante da região e sua formação econômica e ambiental; - mobilizar a comunidade em geral sobre a importância da preservação da floresta nativa; - intensificar os cuidados relativos à água, orientando a comunidade no sentido de proteger as fontes.

Com esse projeto, cada disciplina estava encarregada de trabalhar com diversos temas com os alunos. No dia do meio ambiente, os alunos da escola desde a 1ª até a 8ª série fizeram um dia de pedágio quando ofertava uma muda de planta pedindo a preservação do meio ambiente.

Em relação ao comportamento dos alunos com as atividades propostas  pelo professor é satisfatório, entretanto constatou-se que não há colaboração integral por parte das turmas.

As aulas de geografia relacionada ao meio ambiente são dadas através de textos, trabalham com vídeos, o qual faz com que os alunos não se limitem ao papel, e sim tenham uma visão real das coisas.

Na Escola Estadual de Ensino Fundamental D. Èrico Ferrari , situada na comunidade de São Francisco( Linha Base), a questão ambiental é muito trabalhada nas turmas, englobando todas. As aulas são elaboradas através de textos e debates.

A Prefeitura Municipal de Nova Palma trabalha com um projeto chamado “A União Faz a Vida” onde o mesmo  tem atuação em todas as escolas  sendo elas municipais e estaduais.

A partir desse projeto a Escola Estadual de Ensino Fundamental D. Èrico Ferrari faz suas atividades e agora surgiu um novo programa de artesanatos onde os alunos são encarregados de levar à escola materiais que possam ser reciclados como madeiras, vidros e etc..Essas atividades são desenvolvidas nas aulas de educação artística, pois, os alunos constroem variedades de artesanatos onde os mesmos são posto para à venda e a renda é destinada a escola.

A participação e interesse dos alunos nessas atividades são ótima, segundo resultado da entrevista, pois durante as aulas tem havido grande colaboração dos alunos em sala de aula. 

Na Escola Estadual de Ensino Fundamental Ana Löbler, localizada na comunidade do Caemborá, o assunto sobre o meio ambiente também é abordado com freqüência através de textos de revistas específicas, o próprio conteúdo(7ª e 8ª série), painéis e vídeos.Nesta escola também há atuação do projeto “A União Faz a Vida”.

O comportamento dos alunos diante dos conteúdos  relacionados ao meio ambiente são satisfatório, pois o professor encontra uma certa dificuldade para trabalhar com os alunos, pois o Caemborá é uma comunidade em que a economia é baseada praticamente do cultivo  do fumo sendo que os agricultores usam muitos e diversificados utensílios de agrotóxicos, os quais são jogados a margens de rios( o principal rio é o Jacuí) contaminando essas águas e afetando outras pessoas e também animais, portanto, os alunos não aceitam o cuidado que deve haver e nem assumem o papel de conservadores da natureza.

O quadro a seguir representa, de forma esquemática os resultados dos instrumentos aplicados na coleta de dados.

 

Quadro demonstrativo dos resultados das entrevistas

 

O nome da escolas

E. E. de E. Fund. Pe. João Zanella

E. E. de E Fund. D. Erico Ferrari

E. E. de E. Fund. Ana Löbler

Nível de escolaridade

dos professores entrevistados

 

Graduação

Graduação

Mestrado

Disciplinas que lecionam

 

Geografia/História

Geografia

Geografia

Séries

 

5ª a 8ª

5ª a 8ª

5ª a 8ª

Forma como é trabalhada a questão ambiental

Através do projeto “Flora Nativa” e Vídeos Educativos

Textos, Debates e discussões

Reportagens de revistas, Vídeos e o próprio conteúdo do programa

As escolas participam de algum projeto

Sim

Sim

Sim

Nome do projeto

 

“A União Faz a Vida”_“Flora Nativa”

“A União Faz a Vida”

“A União Faz a Vida”

Comportamento dos alunos com  relação às atividades desenvolvidas nas aulas de geografia, levando em conta

 

Nível de aceitação Satisfatório

Interesse pelas atividades:

Satisfatório

Aprendizado através das atividades:

Satisfatório

Nível de aceitação:

Òtimo

Interesse pelas atividades:

Òtimo

Aprendizado através das atividades:

Satisfatório

Nível de aceitação:

Satisfatório

Interesse pelas atividades:

Satisfatório

Aprendizado através das atividades:

Satisfatório

Forma de atualização dos materiais utilizados em sala

Livros, Revistas, televisão e Vídeos

Livros, Revistas, Internet, Jornais e cursos

Revistas específicas, Televisão (TV Escola)

Forma como é desenvolvida a proposta

Conhecimento

Conhecimento

Conhecimento

 

Conclusões

Pode-se concluir que nas três escolas estaduais do município de Nova Palma (Escola Estadual de ensino Fundamental Pe. João Zanella, Escola Estadual de Ensino Fundamental D. Èrico Ferrari e Escola Estadual de Ensino Fundamental Ana Löbler) estudadas, trabalha-se bastante com a questão ambiental, principalmente com as turmas da 5ª a 8ª série.

A prefeitura municipal de Nova Palma tem grande participação nas escolas estaduais, pelo fato de ter criado um projeto denominado “A União Faz a Vida”, que engloba todas as escolas (municipais e estaduais) do município, incluindo as três escolas estaduais em estudo.

A Escola Estadual de Ensino Fundamental Pe. João Zanella (na Vila Cruz), através desse projeto (“A União Faz a Vida”) constituiu um outro projeto, vinculado ao projeto original, denominado “Flora Nativa”. Já as outras duas escolas: a  Escola Estadual de Ensino Fundamental D. Èrico Ferrari e a Escola Estadual de Ensino Fundamental Ana Löbler trabalham diretamente com o projeto “A União Faz a Vida”.

O assunto questão ambiental abordado nas aulas de geografia com as turmas 5ª, 6ª; 7ª e 8ª série se efetiva através de textos retirados de jornais e revistas, vídeos educativos, debates e discussões, sendo essas técnicas adotadas pelas três escolas.

As turmas apresentam elevado número de alunos, sendo que as atividades  que partem dos professores para os alunos exigem bastante esforço e interesse por parte dos últimos. Portanto, através dos resultados obtidos, a Escola Estadual de Ensino Fundamental D. Érico Ferrari relação aluno x atividade classifica-se como ótima, apresentando uma colaboração geral dos alunos. Ao passo que nas outras duas escolas o resultado foi classificado como satisfatório, pois há grande desinteresse por parte de alguns alunos.

A partir dos questionários aplicados aos três professores de geografia das escolas estaduais, todos consideraram importante a integração do assunto sobre questão ambiental na disciplina; acrescentaram também que é muito útil fazer trabalhos com os alunos, visitando áreas degradadas, o incentivo através de palestras e concursos de redação.Todos concordaram que a aula de geografia referente ao meio ambiente não serve somente para que os alunos reconheçam os problemas ambientas de maior impacto que atingem o planeta, mas sim que reconheçam os problemas ambientais globais, regionais e locais, considerando a relação homem x meio, que desenvolva a cidadania, mude a opinião da população a respeito ao meio ambiente e que é necessário criar projetos de maneira que  se possa englobar toda a sociedade com o objetivo de torná-los conscientizados e  concientizadores.

A atualização de materiais utilizados em sala de aula se dá através de livros, revistas, programas de televisão (TV Escola), cursos, vídeos, jornais e internet. Quanto ao ponto de vista dos professores sobre a proposta de trabalho envolvendo a questão ambiental nas aulas de geografia, constatou-se que a mesma é desenvolvida através do conhecimento que cada professor tem para transmitir para os alunos, e não por ser tradicional.

 

Bibliografia

 

BÖER, N. Educação Ambiental em Escolas de 1º grau.Santa Maria: UFSM, 1993.

 

IBAMA, Instituto Brasileiro do Meio Ambiente. Educação Ambiental.Porto Alegre: IBAMA, 1993.

 

LORENZONI, J. Memória de Um Imigrante Italiano.Porto Alegre: Sulina, 1975.

MÜLLER, J. Educação Ambiental: Diretrizes para a Prática Pedagógica. Porto Alegre: Farmers, 1997.

 

NOAL, F.O. ; REIGOTA, M.; BARCELOS, V.H.L. Tendência da Educação Ambiental Brasileira.Santa Cruz: EDUNISC, 1998.

 

OLIVEIRA, E.M. Educação Ambiental: Uma Possível Abordagem. Brasília: IBAMA, 1996.

 

ROTH, B.W. Tópicos em Educação Ambiental: Recortes Didáticos sobre o Meio Ambiente. Santa Maria: PALLOTTI, 1996.