Voltar à Página da AGB-Nacional


                                                                                            

   

 

X SIMPÓSIO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA FÍSICA APLICADA



 

ENSINO DO CICLO HIDROLÓGICO UTILIZANDO-SE DE TÉCNICAS VIRTUAIS, MULTIMÍDIA E DE ENSINO A DISTÂNCIA




André Soares Monat 1

Ricardo Augusto Calheiros de Miranda 2

Fernando Reiszel Pereira 3



 

 

 

1,2 Universidade do Estado do Rio de Janeiro / Departamento de Climatologia e Meteorologia
3 Universidade do Estado do Rio de Janeiro / Instituto Politécnico






Palavras Chaves: Multimídia, Ensino à Distância, Ciclo Hidrológico
Eixo 3: Aplicação da Geografia à Pesquisa
Sub-eixo 3.2: Propostas teóricas e metodológicas






 

INTRODUÇÃO

 

Nos dias atuais, a informática apresenta-se como um suporte didático pedagógico potencial para docentes, permitindo a criação de oportunidades aos alunos de temas propostos em áreas complexas, como as relacionadas com as Ciências Ambientais. A educação ambiental está presente na constituição brasileira desde de 1988. Nesta carta, está explicito que cabe ao poder público a responsabilidade de promover a conscientização pública para a preservação do meio ambiente e a educação ambiental em todos níveis de ensino. Na nossa carta magna se acena com o ensino do meio ambiente como sendo realizado de forma transversal, permeada por uma forma de educação prática. Ou seja, nossas diretrizes curriculares enfatizam a capacidade de observação e compreensão dos nossos alunos, relativas ao meio ambiente, dentro da realidade do país, de uma forma integrada e transpondo os limites individuais de cada uma das disciplinas lecionadas (PCN, 2000a).

A conexão e a troca instantânea de informações, proporcionadas pela Internet, potencializam a possibilidade de se estreitar o dialogo e facilitar o aprendizado entre o educador e o educando, através do ensino a distância. Ao iniciar-se no aprendizado das Ciências Ambientais, geralmente, o aluno depara-se com conceitos básicos e fundamentais sobre a atmosfera terrestre e os processos termodinâmicos que nela ocorrem, os quais posteriormente servirão como complemento do entendimento de diferentes processos físicos e biológicos na interface solo-planta-água-atmosfera.

O conceito do ciclo hidrológico é, portanto, fundamental para qualquer iniciante ao estudo das ciências ambientais. Esta influência se justifica pela ocorrência de diversos fenômenos relativos a água em todos os seus estados, na sua distribuição e ocorrência na atmosfera, na superfície terrestre e no solo, e na relação destes fenômenos com a vida na Terra e conseqüentemente sobre as atividades humanas.

Desta forma caberá, ao educador, o ensino da preservação da natureza e a orientação das novas gerações sobre como os diferentes fenômenos meteorológicos se inter-relacionam com as diferentes atividades humanas. Nosso objetivo é uma atitude prática educacional que possibilite orientar o aluno a atuar, posteriormente, adequadamente na preservação do meio ambiente. Para isto, é necessário que se lance mão de novos paradigmas cognitivos. Já que acreditamos que à aquisição do conhecimento deve ser atrelada ao desenvolvimento de habilidades de pensamento e de competências que possibilitem a cada indivíduo, no futuro, acompanhar e se adaptar a contínua evolução científica e tecnológica. Em nosso sistema multimídia, o exercício da observação dos diferentes processos do ciclo hidrológico fomenta o desenvolvimento de crenças e valores relativos ao meio ambiente. Através dele a habilidade de comparação pode levar o aluno a perceber as inúmeras diferenças entre as áreas beneficiadas por políticas de conservação ambiental com outro onde o desmatamento levam ao assoreamento dos rios, quedas de barreiras e outros problemas ambientais. Com a percepção adequada do conceito do ciclo hidrológico, o aluno será capaz de efetuar tais comparações.

 

 

METODOLOGIA

 

CICLO HIDROLÓGICO: CONCEITO

 

 

O ciclo hidrológico ou ciclo d’água é uma sucessão de vários processos na natureza pelos quais a água inicia o seu caminho indo de um estágio inicial até retornar a posição primitiva. Este fenômeno global de circulação fechada da água entre a superfície terrestre e a atmosfera, é impulsionado fundamentalmente pela energia radiante e associado à gravidade e à rotação terrestre (KLAR, 1984; da SILVEIRA, 1997).

A superfície terrestre abrange os continentes e os oceanos, participando do ciclo hidrológico a camada porosa que recobre os continentes (solos, rochas) e o reservatório formado pelos lagos, rios e oceanos. Parte do ciclo hidrológico é constituída pela circulação da água na própria superfície terrestre, isto é; a circulação de água no interior e na superfície dos solos e rochas, nos lagos e demais superfícies aquosas e nos seres vivos.

O intercâmbio entre as circulações da superfície terrestre e da atmosfera ocorre em dois sentidos:

 

a)       No sentido superfície-atmosfera, onde o fluxo de água ocorre fundamentalmente na forma de evaporação das águas oceânicas e evapotranspiração continental;

b)       No sentido atmosfera-superfície, onde a transferência ocorre em qualquer estado físico, sendo mais significativas,em termos globais, as precipitações pluviométricas e a neve (Figura 1).

 

Figura 1 – Ciclo Hidrológico Global

 

Assim sendo, o ciclo hidrológico pode ser descrito por sete processos principais: evaporação, evapotranspiração, precipitação, interceptação das precipitações por superfícies naturais, infiltração, armazenamento da água no solo e escorrimento superficial.

 

 

ORGANIZAÇÃO DO HIPERTEXTO

 

Quando se escreve um material na forma de hipertexto, é importante ter em mente o porque de se utilizar este tipo de texto ao invés de se preparar um artigo ou livro tradicional. Hipertextos devem fugir ao estilo linear de leitura. São muito apropriados quando lidamos com muitas informações entrecruzadas, e quando queremos transmitir informações em pequenos textos de grande impacto.

Desta forma, um compêndio exaustivo sobre um determinado assunto ainda é primazia de livros e material impresso, já que a relutância ao uso de telas de computadores por muitas horas (mesmo no caso de e-books) ainda é muito grande. Quando lidamos com hipertextos, como, por exemplo, páginas de Internet, devem nos preocupar com os seguintes planejamentos (Nielsen 2000):

Design de Página: A estética e a identidade visual da página deve ser balanceada com a sobrecarga que o mesmo pode sofrer com telas, animações ou imagens muito complexas. Em nosso trabalho, a própria animação do ciclo hidrológico mostrou-se pesada e de grande demanda de recursos. No entanto, devido a importância central do tema, tal animação foi considerada essencial ao produto final.

Autoria de Conteúdo: Deve-se escrever em forma de páginas e textos curtos com informações secundárias em páginas de suporte. Explicações do tipo pop-up são de extrema valia para rápidas definições.

Estratégia de Vinculação: Não deixe de ligar seu material a outros matrias disponíveis na Internet. Em nosso CD, por exemplo, vinculamos nosso texto a uma série de organizações que escrevem e atuam na área de meio ambiente.

A tela do computador também não deve estar sobrecarregada de imagens, ou criar dificuldades para que o aluno encontre os meios de implementar sua navegação. No desenvolvimento do Meio Ambiente a Vista procuramos fotografias ou desenhos que realmente ajudassem tornar os temas analisados mais tangíveis. Em suma, um uso adequado dos recursos multimídias que não estão a disposição do material impresso tradicional.

 

 

CONCLUSÃO

 

 

Escrever um sistema multi-mídia sobre o tema ciclo hidrológico, dentro do contexto da educação ambiental mostrou-se um desafio triplo.

Primeiramente porque havia a necessidade de se repassar todos os conceitos envolvidos. Ou seja, que as águas continentais e oceânicas se evaporam e ao ascender o vapor se condensa até formar as nuvens, que por sua vez precipitam. Ao atingir a superfície terrestre, uma parte da precipitação (i. é chuva ou neve) retorna a atmosfera pela evaporação e transpiração das plantas, outra parte escoa sobre a superfície acompanhando o declive do terreno até atingir um curso de água. A parte restante das precipitações penetra na terra por ação da gravidade (chuva) o derrete sobre estas superfícies para posteriormente infiltrar-se, suprindo os lençóis de água subterrânea, os quais alimentam também os cursos de água. A água que chega aos cursos de água finalmente alcança o oceano completando o ciclo hidrológico.

Segundo, pela nossa preocupação de ensinar não somente os conceitos como também as conseqüências da interação com o homem e o estimulo a uma postura ativa em relação ao tema desenvolvido.

Finalmente pelas preocupações que tivemos quanto a forma de comunicação adotada (o hipertexto multimídia) e a adequação a escrita característica desta mídia.

 

 

REFERÊNCIAS

 

KLAR, A.E. A água no sistema solo-planta-atmosfera. Livraria Nobel. 407p. 1984.

 

NIELSEN, J. Projetando Websites. Editora Campus, Rio de Janeiro. 2000.

 

Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN). Secretaria de Ensino Fundamental. Vol. I, 2a Edição. 2000a.

 

Da SILVEIRA, A.L.L. Ciclo hidrológico e bacia hidrográfica. In: Hidrologia: Ciência e Aplicação. Carlos E.M. Tucci (Editor). Editora da Universidade. 2a Edição. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, RS. 939p. 1997.