Voltar à Página da AGB-Nacional


                                                                                            

   

 

X SIMPÓSIO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA FÍSICA APLICADA

 

GEOPROCESSAMENTO NA ANÁLISE FÍSICO-URBANA DO BAIRRO PARQUE PINHEIRO MACHADO NO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA/RS

 



 

Patrícia Nascimento Mota, Roberto Cassol, Waterloo Pereira Filho, Quelen da Silva Osório, Denecir de Almeida Dutra.
 Universidade Federal de Santa Maria

 

 

 

Palavras-chave: Geoprocessamento - Espaço urbano - SIG

Eixo Temático:  3 - Aplicação da Geografia Física à Pesquisa.

Sub-eixo: 3.3 - Gestão e Planejamento Ambiental.






INTRODUÇÃO

 

Com diferença de grau e de intensidade, todas as cidades brasileiras exibem problemáticas semelhantes. O seu tamanho, tipo de atividade, região em que se inserem, são elementos de diferenciação, mas em todas elas problemas como desemprego, habitação, transportes, lazer, água, esgotos, educação e saúde, são genéricos e revelam enormes carências. Assim, quanto maior a cidade, mais visíveis se tornam essas mazelas decorrentes principalmente da expansão capitalista devorante dos recursos públicos que vão em atendimento às necessidades das grandes firmas, atingindo os interesses de uma minoria que governa e gerencia o país.

Desse modo, a organização interna das cidades brasileiras pode ser definida da seguinte maneira: quanto menor a aglomeração, menores contrastes ocorrem em seu espaço. Porém, quanto mais populosa e vasta, mais diverso é o quadro urbano, permitindo melhor visualização e interpretação de suas diferenciações. Esta interpretação e visualização, tornam-se úteis quando pretende-se planejar melhor este espaço, a nível de infra-estrutura e saneamento básico.

Santos (1996: 96), menciona que as cidades são grandes porque há especulação e vice-versa; porque há vazios as cidades são grandes. O modelo rodoviário é fator de crescimento disperso e do esvaziamento da cidade. Havendo especulação, há criação mercantil da escassez e o problema do acesso à terra e à habilitação se acentua. Mas o déficit de residências também leva à especulação e os dois juntos conduzem à periferização da população mais pobre e, de novo, ao aumento do tamanho urbano. As carências em serviços alimentam a especulação, pela valorização diferencial das diversas frações do território urbano.

Sendo assim, o espaço urbano de Santa Maria, insere-se neste contexto, na medida em que áreas onde os terrenos são mais baratos, nem sempre planejados adequadamente pelos órgãos competentes, sendo carentes de infra-estrutura e saneamento básico, são utilizados como moradia pelas pessoas com menores poderes aquisitivos, que obviamente, padecem sem as mínimas condições de infra-estrutura e saneamento.

Neste contexto, selecionou-se o Bairro Parque Pinheiro Machado por ser um espaço urbano repleto de contrastes físicos-urbanos merecendo destaque as condições de infra-estrutura básica que são investigados mais profundamente neste estudo, onde objetivou-se utilizar o Sistema de Informações Geográficas na análise físico-ambiental do Bairro, bem como a infra-estrutura e o saneamento básico. Especificamente foi objeto de estudo os impactos sócios - ambientais ocasionados pela atual situação de infra-estrutura em que o Bairro se encontra, e também a disposição do esgoto doméstico; além do desenvolvimento do banco de dados referentes as condições sócio - econômicas dos moradores do Bairro, bem como da situação ambiental em que se inserem, além da análise detalhada da infra - estrutura do mesmo; elaboração de mapas temáticos, que deram suporte à aplicação de planejamento adequado do Bairro, a fim de modificar a situação "problema" atual; contribuindo assim, para o processo de conscientização da população envolvida.

Este Bairro insere-se no Município de Santa Maria/RS e localiza-se entre as coordenadas geográficas 50°45'00" a 52°30'00" de longitude Oeste e 29°45'00" a 29°37'30" de latitude Sul do Equador. Constituí-se pelas Vilas Schimidt, São João, Santa Catarina, Rossi, Cauduro, pelo Parque Residencial Lopes e Parque Residencial Pinheiro Machado.

Originou-se aproximadamente na década de 60, mas só foi reconhecido como tal a partir de 1982 com a criação da Lei 2.410; ocorrendo seu planejamento a partir de incentivos da iniciativa privada proporcionando seu surgimento com uma infra-estrutura quase completa. No entanto, este plano não foi efetivado totalmente, e atualmente, o Bairro carece nos aspectos de saneamento básico e infra-estrutura, como será mostrado no transcorrer do trabalho.

Atualmente, apresenta 11334 habitantes, sendo 5649 homens e 5685 mulheres, segundo o Censo Demográfico de 2000 (IBGE, 2000). Limita-se ao norte com o Núcleo Habitacional da COHAB Santa Marta e pelo Distrito Industrial, ao Sul pela área militar de Santa Maria, a oeste pelo núcleo habitacional da COHAB Tancredo Neves , a leste pelos demais bairros do perímetro urbano.

Neste sentido, o Sistema de Informações Geográficas (SIG) conduziu e auxiliou na investigação do saneamento básico e infra-estrutura, proporcionando a elaboração do panorama físico - ambiental do Bairro Parque Pinheiro Machado.

 

CONTEXTUALIZAÇÃO DO TEMA

 

Os SIGs, apresentam um conjunto de funções de amplas aplicações espaciais, voltados para integração de dados, agrupando idéias desenvolvidas em diferentes áreas, tais como, na Agricultura, Botânica, Computação, Economia, Matemática, Fotogrametria, Cartografia e principalmente na Geografia. Dessa forma, a coleta e o processamento de informações geográficas passaram a assumir um papel estratégico na administração, planejamento ou pesquisas de cidades ou regiões.

Assim, os SIGs, podem ser considerados como modelos de sistemas do “mundo real”. Estes novos modelos além de cumprir as funções dos modelos convencionais (mapas, maquetes, arquivos), acrescentam novos horizontes às atividades de análise, planejamento, projeto e gestão. (Gerardi & Mendes, 2001). Um SIG, então, é um sistema - modelo- que representa um outro sistema - sistema do mundo real. No caso de um SIG urbano, o sistema pretende ser a representação da cidade, no caso de cidades, pode-se falar em sistemas urbanos.

Geradi & Mendes (2001) mencionam que uma das mais importantes funções de um SIG urbano é a possibilidade que ele oferece para integrar dados de diversas fontes e formatos e gerar informação adicional pelo cruzamento destes dados. Logo, Geoprocessamento utilizado em áreas urbanas se emprega adequadamente em todas as áreas que demandam análise espacial e apresentação cartográfica.

Desse modo, a compreensão de SIGs, como modelos da realidade, tem, como conseqüência, a necessidade, no caso do planejamento e gestão urbana, do projeto de sistema que represente adequadamente- para os objetivos proposto- a cidade, o bairro que se pretenda planejar, gerir, monitorar ou simular o crescimento.

Por isso, a utilização de tecnologias que permitem ampliar o conhecimento sobre a realidade urbana, visualizar (e simular) os efeitos de intervenções sobre o espaço urbano - antes que elas ocorram- e submeter estas simulações à avaliação da comunidade e dos agentes sociais interessados pode dar resposta à crescente demanda social por mais poder sobre questões espaciais urbanas que dificilmente encontra resposta em documentos como os atuais planos diretores.

Nos países de grande dimensão e com carência de informações adequadas para tomada de decisões sobre problemas urbanos e ambientais, o Geoprocessamento apresenta um enorme potencial, principalmente baseando-se em tecnologias de custo relativamente baixo, em que o conhecimento é adquirido localmente.

Thum (1970), menciona que o objetivo de um SIG é promover uma ferramenta eficiente de planejamento para todas as aplicações que fazem uso de mapas. Todos as atividades que envolvem a coleta de dados sobre a distribuição espacial desses sobre a superfície terrestre, podem se beneficiar de sistemas desta natureza. E através da utilização de bancos de dados, estes podendo serem dispostos em diversos tipos de documentos cartográficos, a sociedade tem acesso a um conjunto de informações que são importantes no momento do planejamento e gestão do espaço, principalmente, o espaço urbano.

Na visão de Silva (1999), o objetivo fundamental dos bancos de dados é promover uma visão abstrata dos dados escondendo do usuário os detalhes de como os dados são armazenados e mantidos. Os dados, normalmente, apresentam uma grande complexidade e esta complexidade é escondida através dos chamados níveis de abstração. Logo, a tecnologia de Banco de Dados em SIG trabalha com dados tabulares, que são relacionados à feições espaciais.

Rocha (2000) menciona que os bancos de dados são formados pelo banco de dados espaciais, descrevendo a forma e a posição das características da superfície do terreno, e o banco de dados de atributos, descrevendo os atributos ou qualidades destas características. Em alguns sistemas, o banco de dados espaciais e o de atributos são rigidamente distintos. Em outros, são integrados em uma entidade simples, conhecida como coverage.

Atualmente, cada vez mais estudiosos vêm demonstrando o potencial da cartografia como precioso instrumento facilitador da construção de noções básicas de geografia, principalmente com a elaboração de páginas da Internet.

Segundo Vaughan (1994: 3), " Multimídia é qualquer combinação de texto, arte gráfica, som, animação e vídeo transmitida pelo computador. Multimídia refere-se a integração de diferentes formas de comunicação (texto, áudio, vídeo, animações) para a transmissão da informação.

Por ser o mapa, uma representação do espaço geográfico, quando apresentado em meio digital, assume novas características, pois o meio digital permite que o mapa seja ao mesmo tempo uma interface ao usuário e uma "ponte" entre diversas mídias.

Esta vinculação entre mapas e outras mídias em meio digital é feita através de recursos de hipertextos. O hipertexto é uma forma de navegação através da informação estruturada sob forma de "camadas" que possuem vínculos (links) ente si. Cada link pode relacionar um ponto de um documento (seja ele texto ou uma imagem) a outras mídias. Logo, estabelece-se uma navegação não - linear, e interativa, através da informação.

Assim, HTML significa HiperTexto Markup Language ( Linguagem de Marcação HiperTexto), é a linguagem de descrição de documentos usada na W.W.W (World Wide Web). É simples e composta de marcações de formatação e diagramação de hipertextos (hiperlinks) e hipermídia (Informações em texto, imagens, sons e ações ligadas uma às outras de uma forma complexa e não seqüencial através de chaves relacionadas). Assim, um hypertexto pode ser definido como um tipo de texto que permite o uso de links (ligações) para outros documentos ou partes dele mesmo.

Para dar um melhor acabamento estético ao documento criado, pode-se utilizar o software Macromedia Dreamweaver que é voltado a criação do “esboço” de um projeto. A Macromedia Dreamweaver é um editor de HTML avançado. Com ele, tornou-se possível montar a estrutura do site. Por este motivo, ele é ministrado por último na cadeia de softwares voltados a criação de sites para a Internet.

Neste sentido, o Sistema de Informações Geográficas (SIG) conduziu e auxiliou na investigação das condições de saneamento básico e as condições de infra-estrutura do Bairro em estudo.

 

METODOLOGIA

 

Para a efetivação da pesquisa, utilizou-se de dados fornecidos pela agência do IBGE de Santa Maria, consultas à Internet, visitas à Prefeitura Municipal de Santa Maria/ Secretaria de Planejamento. Da Prefeitura Municipal de Santa Maria/ Secretaria de Município do Planejamento Urbano obteve-se o Mapa da Cidade, que contem os limites de cada vila pertencente ao Bairro.

De posse do mapa, a etapa seguinte consistiu na delimitação do Bairro e suas vilas, seguindo o recorte espacial dos mesmos, para auxiliar na escolha dos pontos aleatórios para testar a eficiência das entrevistas aplicadas aos moradores do Bairro.

Uma vez que o bairro Parque Pinheiro Machado apresenta 109 quadras subdivididas em 5 vilas e 2 parques residenciais, inseridos numa amostra de 20%, onde através da formula - K= N/n (Gerardi & Silva, 1981), onde K= intervalo (5); N= população (109 quadras); n= amostra (20%), obteve-se o intervalo de 5 quadras, ou seja, a cada 5 quadras, uma foi investigada. Assim, as Vilas: Santa Catarina que possui 8 quadras, Rossi que tem 9 e o Parque Residencial Lopes com 9 quadras, tiveram 1 quadra analisada. A Vila Cauduro que tem 12 quadras, teve 2 quadras analisadas, a Vila São João que tem 15 quadras, teve 3 quadras investigadas e o Parque Residencial Pinheiro Machado que apresenta 55 quadras, teve 10 quadras investigadas.

Porém, para se saber dentro da quadra selecionada, moradores seriam entrevistados, optou-se por utilizar a amostragem aleatória através do sorteio dos lotes de cada vila. Onde definiu-se que de cada 5 lotes , 1 morador foi entrevistado. Nas entrevistas aplicadas aos moradores selecionados pelo processo de amostragem sistemática, questionou-se a respeito da situação do entrevistado, escolaridade, ocupação e sexo, condições do saneamento básico e aspectos de infra-estrutura.

Deste modo, de posse das informações, passou-se para a etapa seguinte: construir o banco de dados do Bairro, utilizando-se das informações referentes ao instrumento de pesquisa na forma de entrevista. Assim, digitalizou-se o mapa através do Spring 3.6.03, utilizando-se das informações coletadas anteriormente.

De posse do mapa base, foi elaborado o banco de dados através da programação visual HTML, no sentido de que esta programação permitiu linkar as informações com a sua localização no mapa base. A elaboração do banco de dados deu-se através dos seguintes procedimentos:

a) primeiramente, deu-se a importação do mapa base em formato JPG para a Programação HTML;

b) num segundo momento, elaborou-se os links contendo as informações plotadas no mapa base, os links da situação dos moradores, escolaridade, esgoto, lixo, água, pavimentação, transportes e iluminação;

c)num terceiro momento, linkou-se as informações com as vilas e os parques residenciais e, dentro das vilas, com as quadras e os lotes que mostraram a situação de cada informação solicitada, localizados e distribuídos no mapa base.

Na aplicação das entrevistas aos moradores do bairro Parque Pinheiro Machado, foi utilizado o G.P.S (Global Positon System) para se obter as coordenadas planas, as quais foram utilizadas nos links. Deste modo permitindo ao usuário a correta localização de cada informação.

Após as informações linkadas no mapa base, a última etapa correspondeu a edição do banco de dados e sua posterior disposição numa página da Internet. Na edição do banco de dados, utilizou-se além da programação visual HTML, o aplicativo Fireworks.

Todo o processo incluiu a disponibilidade e escolha de software e periféricos; manipulação com scanner, treinamento e teste com os software Spring 3.6.03 e a programação visual HTML e aplicativos de editores raster e vetorização manual e semi-automática: edição de mapas; impressão e apresentação. Este trabalho resultou na formação do banco de dados do Bairro Parque Pinheiro Machado que deu suporte à construção do Sistema de Informações Geográficas do Bairro.

 

ANÁLISE DOS RESULTADOS

 

Em função de se saber mais a respeito dos aspectos que englobam a infra - estrutura e as condições de saneamento básico do Bairro Parque Pinheiro Machado, os dados obtidos anteriormente pelo trabalho de campo foram dispostos em mapas temáticos elaborados através do aplicativo Corel Draw 10 e, que foram disponibilizados em uma página da Internet, onde cada mapa temático linkado refere-se ao tema investigado.

Sendo assim, no momento em que o usuário clica sobre o link desejado, o mapa temático é mostrado para o mesmo. Logo, o usuário tem rapidamente acesso a informação que necessita.

Os mapas temáticos obedeceram aos itens investigados anteriormente pela aplicação da entrevista, referindo-se com os links, situação da moradia - número de residentes; ocupação, resíduos sólidos, energia elétrica, transporte coletivo, nível de escolaridade; esgotos sanitários, abastecimento de água e pavimentação.

No mapa que representa espacialmente a situação da moradia: número de residentes das residências, constatou-se que 56,52% apresentam de zero a três residentes, 39,13%, três a cinco moradores e 4,35%, mais de cinco moradores. Deste modo, percebe-se que o Bairro está se preocupando com o planejamento familiar, caracterizado também, pelos programas de saúde, palestras gratuitas, Campanhas de Saúde que são disponibilizadas para a população. Também, salienta-se que ocorre palestras referente á Saúde Preventiva. Sendo assim, a partir destes índices constatados verifica-se o reflexo desses programas de saúde na constituição das famílias do Bairro.

Observou-se que 39,13 dos moradores desempenham atividades ligadas a prestação de serviços, enquanto que 17,39% são estudantes e dona-de-casa, 13,04% desempenham serviços gerais e 13,04% são aposentados. Desta forma, verifica-se que a maioria dos moradores desempenham atividades que necessitam baixo nível intelectual para desenvolve-las.

Quanto aos resíduos sólidos, verificou-se que 70% é coletado, 10% reciclado e 10% queimado, isto ocorre quando esses resíduos são colocados nas esquinas das ruas. Quanto aos problemas decorrentes da disposição inadequada desses resíduos são: proliferação de insetos(60%) , doenças (20%), contaminação hídrica(15%) e poluição do solo (5%).

O abastecimento de energia elétrica é caracterizado pelo fornecimento ideal para o bom financiamento dos eletrodomésticos para 73,91% dos moradores e insuficiente para 26,09%.

Constatou-se que a iluminação pública para 39,13% dos moradores é adequada e 17,04% inadequada e 43,43% é inexistente em alguns setores do bairro. Desta forma, há muitos setores em que é perigoso trafegar a noite, pois, não tem iluminação.

Verificou-se que os horários dos transportes coletivos em dias úteis são suficientes para 82,61% dos moradores e insuficientes para 17,39%. Em finais de semana e feriados a situação não é muito diferente, pois, 60,87% dos moradores acham-na suficiente enquanto que 39,13% a classificam como insuficiente. A distribuição das paradas caracteriza-se por ser adequadas para a população (40%) e inadequadas para (60%).

Em relação ao nível de escolaridade dos moradores, constatou- se que 52,17% estão no Ensino Fundamental, 21,74% no Ensino Médio e, 21,74% no Ensino superior, sendo que 4,35% são analfabetos.

Na variável que investigou o destino e problemática dos esgotos sanitários, verificou-se que 56,52% dos esgotos sanitários são destinados para fossas sépticas, enquanto que 30,43% para valas e 13,05% para rede fluvial. Os principais problemas ocasionados pelos esgotos sanitários são: mau cheiro (40%), proliferação de insetos (20%), contaminação dos lençóis de água (10%), poluição do solo (10%) e doenças (10%).

O abastecimento de água foi caracterizado por ser ligado a rede geral. Porém, 69,56% dos moradores não possuem reservatório de água sendo que apenas 30,44% dispõe desse recurso.

Na variável pavimentação obteve-se os dados: revestimento solto (paralelepípedos), 21,74% , revestimento parcial 69,56% e calçamento somente 8,7%.

Diante dos dados analisados denota-se uma precária infra-estrutura e péssimas condições de saneamento básico, que são distribuídos em vários setores do Bairro. Deste modo, além de haver degradação ambiental, há ineficientes qualidade de vida dos moradores.

 

CONSIDERAÇÕES FINAIS

 

Com base nestes resultados, pode-se concluir que, o Bairro em quase sua totalidade é desprovido de rede de coleta e tratamento dos esgotos sanitários, o que constitui-se num grave problema ambiental, motivado principalmente, pela poluição do solo pelo esgoto. Assim, torna-se impróprio a cultura de legumes e vegetais, ou até mesmo, a abertura de poços artesianos, pois, a malha hídrica também está poluída, logo, a água de tais poços é imprópria para o consumo.

Quanto aos resíduos sólidos, estes são recolhidos 3 vezes por semana. Porém a sua disposição dá-se de maneira equivocada, principalmente nas esquinas das ruas, ficando em contato com animais domésticos, além de gerarem uma gama de insetos, como moscas, baratas e ratos.

Já a infra-estrutura do Bairro é caracterizada por uma série de transtornos, pois, a iluminação pública está prejudicada, falta lâmpadas em alguns postes, logo, é perigoso trafegar á noite em alguns setores do Bairro, tanto para os motoristas, como para os pedestres.

Quanto a pavimentação, esta se apresenta em péssimo estado, isto é, em algumas ruas, não se quer revestimento solto, as ruas são de terra batida, como uma estrada, tornando-se em um grave transtorno para o trafego das pessoas, principalmente em dias de chuvas, pois, as ruas transformam-se me verdadeiros lamaçais.

No geral, o Bairro Parque Pinheiro Machado é mal servido nos aspectos que englobam tanto o saneamento básico, como a infra-estrutura. Deste modo, a utilização da técnica do Sistema de Informações Geográficas, atuou plenamente na investigação de tais problemas, permitiu também, tecer possíveis soluções para a problemática analisada.

A partir do desenvolvimento do presente trabalho foi possível atingir os objetivos propostos e a metodologia adotada mostrou-se eficiente, pois, permitiu a inter-relação de dados numéricos com dados espaciais, proporcionando fácil visualização e interpretação.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

 

FUNDAÇÃO INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATISTICA. Censo Demográfico. Rio de Janeiro: IBGE, 2000.

 

GERARDI, Lucia Helena de Oliveira; MENDES, Iandara Alves. Teoria, técnica, espaços e atividades: temas de Geografia Contemporânea. Rio Claro: Programa de Pós- Graduação em geografia- UNESP; Associação de Geografia teorética- AGETEO, 97-137p, 2001.

 

GERARDI, Lucia Helena de Oliveira; SILVA, Barbara Christine Nentwig. Quantificação em Geografia. São Paulo: Difel, 1981. 161 p.

 

MUNICIPAL. Lei n.º 2,770 de 02 de julho de 1986. Lex: altera o perímetro urbano, limites distritais e dispõe sobre a denominação de bairros de Santa Maria. Santa Maria

 

ROCHA, Cézar Henrique Barra. Geoprocessamento: tecnologia transdiciplinar. Juiz de Fora, MG: Ed. do. Autor, 2000, 220p.

 

SANTOS, Milton. A Urbanização Brasileira. 3 ed. São Paulo: Hucitec, 1996. 157 p.

 

SILVA. Ardemiro de Barros. Sistemas de Informações Geo - referenciadas: conceitos e fundamentos. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 1999, 236p.

 

THUM, Adriane Brill. Uso de sistema de Informações Geográficas (SIG) na Determinação das Potencialidades de Zonas Propícia a Criação de áreas de Proteção ambiental (APAS). Santa Maria: UFSM, 1997, 26p. monografia (Especialização em Interpretação de Imagens Orbitais e Subordinais) Universidade Federal de Santa Maria, 1997.

 

VAUGHAN, Tay. Multimídia na Prática. São Paulo: Makron Books, 1994, 474p.