Voltar à Página da AGB-Nacional


                                                                                            

   

 

X SIMPÓSIO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA FÍSICA APLICADA

 

 

 

DEGRADAÇÃO da CAATINGA no SERIDÓ PARAIBANO e as TENDÊNCIAS ao PROCESSO de “DESERTIFICAÇÃO”.

 

 

Eduardo Rubens de Medeiros. (Estudante Geografia - UFPB)

eduardo.geografia@bol.com.br

Maria José Vicente de Barros: Geógrafa, Mestranda do Programa de Pós-Graduação em

Agronomia do DESER/CCA/UFPB

laecogeo@yahoo.com.br

Prof.  Paulo Roberto de Oliveira Rosa. UFPB

labema@geociencias.ufpb.br

 

 

Palavras-chaves: Degradação Ambiental, Desertificação, Paisagem.

Eixo Temático:  3 - Aplicação da Geografia Física à Pesquisa.

Sub-eixo: 3.3 - Gestão e Planejamento Ambiental.

 

 

 

Introdução

 

A desertificação é um processo que vem preocupando pesquisadores de todo o mundo. No Brasil, de acordo com estudos realizados, os núcleos de desertificação têm sua ocorrência no Nordeste e dentre os estados nordestinos, a Paraíba é um dos que se destacam com núcleos que apresentam susceptibilidade a esse processo.

Localizado na parte central do Estado, no seu limite setentrional, mais precisamente na Microrregião do Seridó Oriental Paraibano, o município de Picuí possui uma área territorial de 734,1km2 (ver Fig.1), onde apresenta alguns núcleos com suscetibilidade ao processo de desertificação, tornando-se pois objeto deste estudo. A sede do município localiza-se sob as coordenadas 6º33’19” de Latitude Sul e 36º20’56” de Longitude Oeste, a uma altitude de 439 m. O município é cortado pelo rio Picuí, que dá nome a sub-bacia que deságua na bacia do Piranhas já no Estado do Rio Grande do Norte; a altimetria varia entre 200 e 600m ficando sua maior parte em torno dos 400m. O clima é quente e seco com chuvas em curtos períodos e estação seca prolongada, caracterizando-se por apresentar temperaturas médias anuais em torno de 26,5º C, com nebulosidade variando de 6/10 a 5/10 do céu, e uma média pluviométrica de 334mm/ano com variabilidade média de 40mm.

 

Figura 1 - Localização do município de Picuí.

 

A Microrregião do Seridó Oriental fica compreendida na Mesorregião da Borborema, entre o Sertão e o Agreste. Embora seja uma das regiões mais antigas do Estado, em termos de povoamento, o Seridó apresenta os mais baixos índices de densidade demográfica do Estado e, associado a isso, estão os baixos índices de precipitação, o que faz com que a atividade agrícola sofra as conseqüências dessas limitações climáticas. Trata-se portanto, de uma região fortemente individualizada, pelas limitações naturais, pela atividade econômica ou pela baixa densidade demográfica. O Seridó abrange a maior parte do Estado do Rio Grande do Norte e uma pequena porção do Estado da Paraíba. Esta região caracteriza-se por apresentar uma vegetação baixa, muito espaçada e um solo raso, arenoso e seco, apresentado ainda afloramentos graníticos. Essas características tornam-se determinantes para aumentar a fragilidade do ambiente, favorecendo a instalação de processos de degradação ambiental.

O município de Picuí está incluso nessa pequena porção do Estado paraibano em que o Seridó abrange, apresentado condições semelhantes com pequenas variabilidades. Em seu quadro natural, pode-se destacar a vegetação, que se constitui de caatinga arbustiva arbórea. A fisionomia dessa sub-formação é marcada por uma vegetação caducifólia, podendo ser aberta ou fechada conforme a densidade e distribuição das espécies, sendo basicamente constituída por estrato arbustivo e arbóreo significativos e distintos.

A Caatinga é um bioma típico do sertão do nordeste brasileiro, distribui-se geralmente em uma região de clima semi-árido, que apresenta insolação e temperaturas elevadas, baixa nebulosidade, distribuição irregular das chuvas durante o ano, e apenas duas estações definidas, uma seca com períodos prolongados e uma com chuvas, reduzida, ficando assim toda a região sujeita a longos períodos de estiagem, que repercutem diretamente nas condições de permanência de determinadas populações ali radicadas. Em decorrência de todas essas condições, essa região foi delimitada pelo Conselho Nacional de Geografia em 1949 e denominada de “Polígono das Secas” (Duque, 1980, p.25). Os impactos dessas condições ecológicas repercutem na cobertura vegetal e no solo, que geralmente, é pouco friável e desgastado. As espécies da caatinga. (ver Fig. 2), em sua grande maioria, apresentam afilia e/ou caducifólia, bem como, outras adaptações para suportarem as condições do rigor climático presentes no local, das quais pode-se destacar o engrossamento da cutícula, cobertura de cera, redução da superfície foliar; entre outros mecanismos que permitam-lhes a sobrevivência.

Figura 2 – Vegetação da Caatinga no município de Picuí. Data: abril/2003

 

Antes da colonização, a caatinga já era bastante utilizada pelas tribos indígenas que habitavam a região, depois a exploração ficou por conta dos colonizadores que iniciaram o processo de utilização do solo para a prática da agricultura que se faz presente, pecuária, que é praticada de forma extensiva, extração mineral e vegetal e assim, o processo de devastação da vegetação da Caatinga foi cada vez mais se intensificando. Essa utilização, em alguns momentos, de forma indevida, acaba por propiciar uma mudança no ritmo dos elementos formadores desse bioma. Essa mudança no ritmo desencadeia alterações nesse ambiente, com um elevado índice de degradação em algumas regiões, com isso pode-se identificar manchas desnudas de vegetação, expondo assim o solo aos agentes intempéricos, acarretando processos erosivos provocados pelo escoamento superficial, que vão degradar os solos, tirando destes a pouca formação pedogenética existente, o que provoca posteriormente, o assoreamento dos cursos d’água existentes na região.

A expansão dessas manchas faz com que a região das caatingas, caracterize-se como um ecossistema propício aos processos de desertificação, problema esse definido pelas Nações Unidas como sendo "a degradação das terras áridas, semi-áridas e subúmidas secas resultantes de vários fatores, incluindo variações climáticas e atividades humanas" (Conti,1998. p 66). Segundo o conceito pode-se dizer que existem duas características de desertificação: a climática e a ecológica. A climática ocorre com a redução progressiva das precipitações de uma determinada região provocada por causas naturais. A ecológica, ocorre quando o ecossistema perde sua capacidade de regeneração, verificando-se a rarefação da fauna e a redução da cobertura vegetal, seguida da degradação dos solos. As principais causas da degradação[1] das zonas semi-áridas se constituem do uso indevido dos recursos da terra, agravados pelas secas. A partir de então busca-se saber quais os elementos que contribuem para a ocorrência dos possíveis processos de “desertificação” no Seridó paraibano.

A proposta de se fazer um estudo sobre essa área, justifica-se por ela estar localizada na zona semi-árida e em área limítrofe identificada pelo Ministério do Meio Ambiente como Núcleo de Desertificação, áreas onde os efeitos do processo estão concentrados em pequena e delimitada parte do território, porém, com danos de profunda gravidade. A partir de então busca-se, através de observação empírica, perceber as modificações que essa paisagem vem sofrendo nos últimos tempos, principalmente no que refere à sua cobertura vegetal.

Sendo assim cabe-nos investigar de maneira aprofundada através de observações no campo quais os processos de degradação que essa região vem sofrendo, e tentar mostrar soluções para que eles não venham desencadear o desequilíbrio desse ecossistema.

 

 

Referencial Teórico Conceitual

 

A problemática da desertificação vem preocupando cientistas do mundo todo. De acordo com Conti (1998, p.66) essa problemática “pode ser entendida como um conjunto de fenômenos que conduz à transformação de determinadas áreas em desertos ou a eles assemelhados”. Nimer (1988, p. 10) também discute a temática, relacionado-a ao clima, e em um segundo momento às ações humanas. Assim o autor diferencia o processo de desertificação do deserto propriamente dito, onde conceitua o deserto como sendo “um fenômeno de certa forma acabado e resultante da evolução de processos que alcançaram uma certa estabilidade final, e que pode ser definida como um clímax ecológico”; o processo de desertificação é caracterizado como “um fenômeno em transformação dinâmica cuja evolução ambiental está apontada para a direção do deserto” (id).

No Brasil alguns locais são apontados como sendo suscetível a esse processo, entre eles, as terras do nordeste seco cujo clima predominante é o semi-árido, esses ambientes são indicados devido à sua sensibilidade decorrente das condições climáticas inerentes a essa paisagem. Tratando da temática, Ab’Sáber conceitua “como processos parciais de desertificação, todos aqueles fatos pontuais ou areolares, suficientemente radicais para criar degradações irreversíveis da paisagem e dos tecidos ecológicos naturais” (1977, p. 1). O autor atribui o acréscimo de degradações pontuais no domínio das caatingas às atividades agrárias rústicas praticadas pela população, dessas destaca o pastoreio extensivo juntamente com outras ações deliberadas como propiciantes das “ulcerações dos tecidos ecológicos” (Ibid, p 2). A partir de então, observa-se a inserção de outros termos que devem ser discutidos com profundidade para o entendimento da questão.

A Terra é regida por um sistema de componentes ligados entre si que funcionam como uma unidade (Drew, 1986). Partindo da Teoria dos Sistemas que aponta a entrada, processo e saída de energia e matéria no sistema, observamos a paisagem como sendo a interação dos conjuntos naturais litológico, o climático e o hidrográfico processando energia e matéria de forma sistêmica (Strahler e Strahler, 1989 e Drew, id); essa interatividade faz com que a paisagem esteja sempre em movimento, por isso dinâmico.

O termo paisagem tem sido trabalhado por diversos autores, entre eles Dolfuss, que indica “toda paisagem é composta, formada por um conjunto de elementos geográficos que se interagem uns com relação aos outros” (1973:p. 13). Porém Tricart (1982) em exposição mais contundente realça que o “conceito científico de paisagem abrange uma realidade que reflete profundas relações, freqüentemente não visíveis, entre os elementos”. O autor apresenta ainda o seguinte conceito como forma mais substancial “Uma paisagem é uma porção perceptível a um observador onde se inscreve uma combinação de fatos visíveis e invisíveis e interações as quais, num dado momento, não percebemos senão o resultado global” (id). A vegetação pode ser entendida como o resultado das condições desses conjuntos componentes da paisagem em cada específico (Strahler e Strahler, 1989).

 

 

Métodos e Técnicas

 

A concepção analítica da compreensão da organização de qualquer ambiente que envolve atores, requer uma relação o mais fidedigna possível dos conceitos como forma e fundo, que é o real. Nesse sentido a busca de autores que se transformaram em cânones na leitura geográfica do Nordeste Seco é premissa indiscutível para uma análise mas significativa e assim podermos, nas investidas no campo, olhar e ver o aparente e buscar o desvelamento do “invisível” na paisagem.

A visita a área inicialmente foi uma excursão preliminar, para que pudéssemos identificar em imagem de satélite as nuances relativas a descontinuidade da cobertura vegetal no Município picuiense. A imagem Landsat disposnibilizada pela EMBRAPA, nos permite uma primeira aproximação pois a escala do zoom chega até a 1:25.000, e a falsa cor permite a identificação das áreas com e sem cobertura vegetal, cuja representação da vegetação é pela presença do verde e as demais cores ausência (ver Fig 3). A partir dessa excursão virtual é imprescindível uma outra análise que nos remeteu a verificação em campo das regiões degradadas, é a leitura de dados relativos às precipitações pluviais no município. Esses dados estão no boletim da SUDENE que disponibiliza o volume e o local em que se encontra a Estação coletora.

 

Figura 3 – Imagem LANDSAT denunciando em falsa cor as áreas descobertas de vegetação

Fonte: EMBRAPA http://www.cdbrasil.cnpm.embrapa.br/

 

Os dados climáticos foram transportados para planilha eletrônica e tratados de forma estatística para o fornecimento de gráficos que melhor fossem visualizados e indicando as correlações concernentes às possíveis inferências relativas ao processo de desertificação no cenário em tela. A partir desse elenco de dados fez-se necessária uma visita ao campo, para checagem aproximativa dos dados e das informações

No trabalho de campo observamos os elementos que constituem o ecossistema da caatinga, procurando compreender a relação conseqüente entre os processos que vêm ocorrendo, antrópicos ou de ordem natural com a questão considerada como processo de desertificação.

 

 

Resultados e Discussão

 

Para verificar a ocorrência do processo de desertificação no sentido de relação climática com o ambiente, foram tratados, de forma estatística, os dados pluviométricos contidos no Boletim da SUDENE referente a três períodos distintos no município de Picuí. Os dados tratados são médias mensais, cujo somatório aponta a média de intervalos anuais compreendidos nas décadas entre 1911 a 1920, de 1951 a 1960 e de 1979 a 1985 (Ver Tabela 1).

 

Tabela 1 Inventário climático registrando o comportamento médio pluvial no Município de Picuí

Tabela 1 - Dados pluviométricos do município de Picuí PB.

Fonte: SUDENE - Banco de Dados Hidroclimatológicos do Nordeste -

 

Verificamos que a distribuição das chuvas durante o ano está concentradas em um período compreendido entre os meses de fevereiro a abril, chegando as vezes até o mês de junho, começando a partir daí a escassez das precipitações pluviais a tal ponto que de setembro a dezembro praticamente não ocorre. Nota-se também uma tendência para as anormalidades, com oscilações apresentando muita dispersão, para mais ou para menos em relação à média pluviométrica da região. Na década de 1950 verificou-se que ocorreu a média mais baixa, em virtude de ter ocorrido longos períodos de estiagem (secas), onde a média dessas precipitações só ultrapassaram os 200mm anuais nos anos de 1955, 1956 e 1959, podendo apontar que nesses anos o clima teve uma conotação de árido.

De acordo com o gráfico 1 verifica-se uma irregularidade muito grande na distribuição das chuvas, ultrapassando os 600mm em 1914, porém  no ano seguinte ficando apenas próximo dos 150mm; a linha de tendência mostra-se estável, estando próxima dos 300 mm anuais de precipitação. Especulando no sentido de alerta a um processo que poderíamos considerar como a borda de desastre que, se o processo continuasse de forma decrescente, a longo prazo se torna um problema, mostrando um dos indicadores para a desertificação climática que corresponde à redução progressiva das chuvas, determinada por causas naturais (Conti, 1998,p.66), no entanto esse fato não foi constatado por isso consideramos que a área não apresenta dados climáticos que comprovem uma susceptibilidade ao processo de desertificação climática.

 

Gráfico 1 – Distribuição anual das chuvas, observando-se linha de tendência.

 

A ocorrência de secas periódicas (a estiagem pode durar de sete a nove meses) estabelece regimes intermitentes aos rios e deixa a vegetação sem folhas, deixando o sol incidir direto no solo, fazendo com que as folhas que caem sejam consumidas pelo calor sem formar manta florestal. Com a chegada das chuvas, mesmo com um período muito curto, chegando de três a cinco meses, os vegetais apresentam um poder de regeneração e rebrotamento muito vigoroso, com isso a paisagem muda muito rapidamente cobrindo-se de folhas e o solo fica forrado de pequenas plantas, por isso pode-se afirmar que a Caatinga apresenta uma grande eficiência no convívio em ambientes de clima rigoroso.

A visita ao Município de Picuí permitiu uma aproximação real entre o conceito por nós trabalhado e o cenário que contempla o fenômeno denominado de desertificação. A coleta de informes junto aos habitantes do lugar nos permitiu um breve aprofundamento na questão relativa à ocorrência da dinâmica de processos de degredacionais. Numa primeira vista a paisagem, bastante antropizada com a presença de atividades sócio-econômicas, aponta uma situação inadvertida no trato como o meio ambiente relativo àquela paisagem sensível à presença de duas grandes indústrias de cerâmica, cuja matéria prima utilizada é a argila para a fabricação de tijolos e telhas, sendo a energia que se utiliza nos fornos de origem vegetal.

A Caatinga naquele lugar, encontra-se bastante alterada a partir da substituição de espécies vegetais nativas por cultivos e pastagens (ver Fig. 4). O desmatamento ainda é uma prática comum no preparo da terra para a agricultura e para a pecuária que, além de destruir a cobertura vegetal, a qualidade da água, o equilíbrio do clima e consequentemente do solo, prejudica a manutenção de populações da fauna existente (ver Fig. 5). Apesar do elevado grau de antropismo ainda pudemos observar a presença de várias espécies típicas, tais como: coroa-de-frade (Melocactus bahiensis), facheiro (Pilosocereus squamosus), faveleira (Cnidosculus phyllacanthus), jurema-preta (Mimosa nigra), macambira (Bromelia laciniosa), mandacaru (Cereus jamacaru), marmeleiro (Croton sincorensis), mofumbo (Combretum  leprosum), pinhão (Jatropha pohliana), xique-xique (Pilosocereus gounellei), entre outras.

 

Figura 4 – Cultivo de leguminosas(abril/2003)

 

Figura 5 – Antropismo com queimada(abril/2003)

 

 

Considerações Finais

 

A interpretação está ainda no nível elementar pois a paisagem contida no cenário referente ao Município de Picuí, apesar de ser considerado pelo MMA como sendo um Núcleo de Desertificação, não nos pareceu como tal. Tomamos como parâmetro as questões climáticas e também a diversidade de indivíduos vegetais componentes daquele lugar. Porém, o que ficou caracterizado é que há uma situação de clima cuja estiagem é e tem sido real e que os habitantes do lugar não conseguiram ainda conviver, com a questão da estiagem vista como seca.

Nos períodos de “tempo bom”, aqueles momentos de precipitação pluvial com relativa abundância, a população vegetal consegue se recuperar e as atividades sócio-econômicas, voltadas para a agricultura de subsistência, tiram certo proveito desses momentos em que o solo permite uma produção de adequação de mercado.

Num outro momento pode-se averiguar que a relação entre a sociedade e o meio natural não tem sido de forma adequada, pois o uso de procedimentos agrícolas estressam o solo, ou mesmo a alteração da paisagem de cenário natural para um cenário agrícola, tem sido uma atividade inadequado em relação à convivência com o ritmo ambiental. Não resta dúvida que domar o clima não tem sido possível, porém conviver com ele e suas nuances pode ser uma alternativa não apenas de cunho econômico mas sim cultural. A cultura da seca precisa ser substituída pela cultura da convivência com a estiagem, por isso deve-se compreender a oscilação climática e saber aproveitar o tempo bom no quesito estocagem de água, a partir de modelos convencionais como os açudes e principalmente pela forma do uso das cisternas aproveitamento os telhados das casas.

A cultura da estiagem é uma forma temática que deve ser abordada por dentro dos temas geográficos, observados no ensino fundamental e médio, e assim a convivência com o clima rigoroso tendo a estiagem e não a seca como referência no saber da geografia do Nordeste seco.

 

 

NOTAS

 

[1] A degradação é por nós entendida como sendo a alteração da paisagem a partir do desgaste ocorrido nos componentes do ambiente como solo, recursos hídricos, vegetação e biodiversidade, que acaba afetando na qualidade de vida das pessoas.

 

 

Bibliografia

 

AB’SÁBER, Aziz Nacib. O domínio morfoclimático semi-árido das Caatingas brasileiras. In Geomorfologia. São Paulo: USP – Instituto de Geografia 1974.

 

_____________. Problemática da desertificação e da savanização no Brasil intertropical. In: Geomorfologia. São Paulo: USP Instituto de Geografia, 1977.

 

ALMEIDA, Josimar Ribeiro de e TERTULIANO, Marcos Faria. Diagnose dos sistemas ambientais: métodos e indicadores. In: CUNHA, Sandra B. da e GUERRA, Antonio J. T. (org.). Avaliação e perícia ambiental. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999. p. 115-171.

 

CONTI, Jose Bueno. Clima e meio ambiente. São Paulo, Atual, 1998. (Serie meio ambiente).

 

BATISTA, Manuel de Jesús e NOVAES, Fabio de, SANTOS, Dvanir Garcia dos et. al. Drenagem como instrumento de dessalinização e prevenção da salinização dos solos. Brasília: IBAMA, SRH (Série informes técnicos) 1998.

 

DOLFUSS, Olivier. A análise geográfica. Tradução Heloysa de Lima Dantas, São Paulo, DIFEL, 1973.

 

DREW, David. Processos interativos homem – meio ambiente. Trad. João Alves dos Santos. São Paulo: DIFEL, 1986.

 

DUQUE, José Guimarães. Solo e água no polígono das secas. 5ª ed. Coleção Mossoroense. Vol CXLII. CNPq, 1980.

 

MATALLO JUNIOR, Heitor. Desertificação. Brasília (UNESCO), 1999.

 

NIMER, Edmon. Desertificação: realidade ou mito?. Revista Brasileira de Geografia. Rio de Janeiro, nº01, 7 – 39, 1988.

 

RANZANI, Guido. Manual de levantamentos de solos. 2a. ed. São Paulo: Edgard Blucher, 1969.

 

ROSA, Paulo Roberto de Oliveira. A reserva Biológica Guaribas (PB): degradação da paisagem pelo escoamento hídrico. Recife, 2000. Dissertação apresentada para obtenção do grau de mestre. UFPE, 2000.

 

SAMPAIO, Everardo e RODAL, Maria de Jesus. Fitofisionomias da Caatinga. Documentos para Discussão. Petrolina, PE, 2000.

 

STRAHLER, Artur N.; STRAHLER, Alan H. Geografia física. 3.ed. Barcelona: Edições Omega, 1989.

 

SUDENE - Dados Pluviométricos do Nordeste - Série Pluviometria 5, Recife, 1990.

 

THE NATURE CONSERVANCY DO BRASIL E ASSOCIAÇÃO CAATINGA. Avaliação e identificação de ações prioritárias para a conservação, utilização sustentável e repartição de benefícios da biodiversidade do bioma Caatinga. Petrolina, PE, 2000.

 

TRICART, Jean e KILIAN, Jean. La eco-geografía y la ordenacíon del medio natural. Barcelona: Editorial Anagrama, 1982.

 

TRICART, Jean. La epidermis de la tierra. Barcelona: Editorial Labor, 1969.

 

_____________. Ecodinâmica. Rio de Janeiro: IBGE/ SUPREN, 1977.

 

_____________. Paisagens e ecologia. Inter-facies escritos e documentos, n. 76. Rio Claro: UNESP, 1982.