Voltar à Página da AGB-Nacional
                                                                                            

   

X SIMPÓSIO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA FÍSICA APLICADA

 

ANÁLISE INTEGRADA DAS MUDANÇAS OCORRIDAS NA PAISAGEM LITORÂNEA DO PECÉM NO PERÍODO DE 1970 A 2003.


Maria Flávia Coelho Albuquerque flavinhacoelho@bol.com.br
Fábio Perdigão Vasconcelos



Universidade Estadual do Ceará – UECE




Eixo 3: Aplicação da Geografia Física à Pesquisa.
Sub-eixo 3.4: Aplicações temáticas em estudos de casos.


INTRODUÇÃO 

Atualmente existem grandes aglomerações urbanas no litoral. A tendência é de uma concentração populacional ainda maior nos próximos anos, o que faz necessário a execução de programas de gerenciamento costeiro que contemplem os anseios populares e a capacidade ambiental de suportar a pressão sobre os diversos elementos que compõem o geossistema litorâneo. Paskoff (1985), estima que 2/3 da população humana mundial vivem a menos de 50km do mar. A população litorânea tem crescido constantemente e teme-se que ela poderá ser de aproximadamente ¾ da população mundial em 2020. No Brasil esse fenômeno se repete, em especial na Região Nordeste, onde as condições climáticas do semi-árido são desfavoráveis às atividades agrícolas e pastoris, ocasionando uma forte migração populacional em direção ao litoral.
Ressalta-se também, aqui, as construções de portos e indústrias em áreas costeiras que são decorrentes da necessidade de comunicação marítima entre produtores e consumidores de produtos naturais e industrializados. Entretanto, estas estruturas devem ser construídas de forma a atender uma série de condições de ordem econômica e social que viabilizem o alto custo do empreendimento. Por essa razão essas construções normalmente são realizadas nos próprios centros urbanos (ou industriais) ou próximos a eles.
O município de São Gonçalo do Amarante, destacando aqui o distrito do Pecém e seu complexo industrial e portuário, apresentou um crescimento populacional de forma desordenada nos últimos anos. Acrescente-se a esse fenômeno a recente instalação de diversas indústrias, além das próprias instalações portuárias que ocupam uma larga faixa da região de berma e de dunas. Essa ocupação causa prejuízos ao ambiente costeiro interferindo em seus processos atuantes, com risco de romper seu frágil equilíbrio dinâmico, que pode ser desastroso na mudança da costa desse município.
Outra preocupação recai sobre os investimentos realizados pelos governos estadual e federal com a instalação de infra estrutura para o turismo através do programa PRODETUR. A cidade do Pecém vive o conflito de interesses entre a industrialização e o turismo, atividades naturalmente antagônicas.
A ocupação da zona costeira seja devido a instalação de obras marítimas, industriais ou turisticas sempre é acompanhada da preocupação que possa haver alterações hidrodinâmicas que por sua vez causem processos erosivos ou acumulativos de sedimentos que modifiquem profundamente a morfologia das praias adjacentes. Outro fator importante a se levar em conta nessa área, são as construções residenciais sobre as dunas, causando barramento dos sedimentos que alimentariam a praia, agravando o problema erosivo. Ressalta-se ainda o fato de nos encontrarmos em um período de transgressão marinha que vem provocando uma elevação progressiva do nível do mar, que nos últimos 100 anos foi da ordem de 8cm (CARON, 1992; PASKOFF, 1985).
Portanto, é necessário que se faça um estudo de forma integrada dos diversos elementos da dinâmica costeira, dos fatores econômicos e sociais atuantes nessa área, levando em conta a legislação vigente para que se possa detectar os impactos negativos ocorridos e propor meios de solucioná-los através de um plano de gestão integrada da zona costeira do Pecém.

OBJETIVOS

O objetivo principal desse trabalho é analisar de forma integrada os fatores naturais e sócio-econômicos que atuaram e atuam na faixa costeira do Pecém, verificando os impactos positivos e negativos decorrentes desses processos para poder propor uma gestão integrada dessa zona costeira.
Os objetivos específicos são: comparar imagens de satélite e fotografias aéreas da área de diferentes décadas, para identificar a ocupação do solo e as modificações ocorridas na zona costeira ao longo do tempo; coletar informações periódicas para acompanhamento das modificações ocorridas no litoral do Pecém; identificar as variações geomorfológicas na área a ser estudada, relacionando-as à estrutura geológica presente, além de determinar os processos hidrodinâmicos e biológicos atuantes nesse litoral; analisar os processos sócio-econômicos atuantes e suas relações com os processos dinâmicos naturais; obter um diagnóstico ambiental local visando sugerir medidas mitigadoras aos principais impactos ambientais e sociais que forem detectados; propor uma gestão integrada para a zona costeira do Pecém.

METODOLOGIA

Para delimitação da área a ser estudada, utilizou-se da teoria geossistêmica proposta por Bertrand (1972), onde ele classifica a paisagem em unidades geoambientais de acordo com a escala têmporo-espacial. E ainda classifica paisagem como sendo o resultado de combinações dinâmicas de elementos físicos, biológicos e antrópicos que reagindo uns sobre os outros fazem da paisagem um conjunto em perpétua evolução.
Será utilizado, também, para a realização dessa pesquisa, a Geografia Física integrada que estuda as variações do meio físico, decorrentes das interações entre processos naturais e ocupação humana.
Utilizaremos a metodologia de análise integrada da zona costeira proposta por Miossec (1998) que aborda os diversos elementos que atuam na zona costeira e a integração deles.
Esse trabalho cumprirá as seguintes etapas:
Etapas de gabinete:
· Levantamentos bibliográficos da área a ser estudada como também de áreas semelhantes para que se possa verificar a evolução da área estudada.
· Interpretação de imagens de satélite e fotografias aéreas para determinar os processos de ocupação do solo e de modificações ocorridas na faixa de praia.
· Análise e interpretação de dados obtidos em outras etapas.
· Confecção de mapas básicos e temáticos.
· Elaboração de diagnóstico com proposta de uma gestão integrada da zona costeira local.
Etapas de campo e laboratório
· Visitas periódicas para checagem da verdade terrestre.
· Coletas das informações sócio-econômicas da região.
· Coleta das informações dos elementos da dinâmica costeira através de perfis topográficos, bem como a coleta de sedimentos para uma posterior análise laboratorial que permitirá a classificação dos sedimentos, grau de seleção e distribuição e o tipo de transporte, permitindo a verificação de uma possível erosão ou deposição na área estudada.

BIBLIOGRAFIA

ALBUQUERQUE, M.F.C., VASCONCELOS, F.P. Medidas de Atuação para Mitigação e Controle dos Impactos Adversos na Área de Construção do Porto do Pecém(Ceará, Brasil). Fortaleza - Ce. Semana Universitária da UECE, 1998.

BERTALANFFY, L. V. Teoria Geral dos Sistemas. Trad. De Francisco Guimarães. Petrópoles: Vozes,1973.

BERTRAND, G. Paisagem e Geografia Global: Esboço Metodológico. São Paulo: Caderno de Cienc. da Terra, nº 13, 1972.

BILLÉ R. and MERMET L. Integrated coastal management at the regional level: lessons from Toliary, Madagascar, Ocean & Coastal Manegement, vol. 45. Issue 1, pages 41 – 58, 2002.

CARON, J.M. et al. Comprandre et Enseigner la Planete Terre. Nouvelle Edition. Paris: Editions Ophrys, 271p, 1992.

EIA – RIMA do Porto do Pecém, Estado do Ceará. Muniz Deusdara Arquitetura Urbanismo Consultoria.

HEWAWASAM I. Advancing Knowledge: a key element of the World Bank`s integrated coastal management strategic agenda in Sub-Saharan África, Ocean & Coastal Management, vol. 44. Issues 4-5, pages 361-377. 2000.

KULLENBERG G. Contributions of marine and coastal area research and observations towards sustainable development of large coastal cities, Ocean & Coastal Management, vol. 44. Issues 5-6, 283-291p. 2001.

OTTMANN, F. et LAHUEC, G. Les effets des dragages sur l´environnement marin. A F.A.S. Orléans. 1972

PASKOF, R. L. Les Littoraux. Impacts des aménagements sur leur évolution. Paris: Masson, 190p. 1985.

RIVERA-ARRIAGA E. and VILLALOBOS G. The coast of Mexico: appoaches for its management. Ocean & Management, vol. 44. Issues 11-12, 729-756p. 2001.

SOTCHAVA, V. B. Por uma Teoria de Classificação dos Geossistemas de Vida Terrestre. Método em Questão, nº 14. São Paulo: IGOG, USP, 1978.

SOUZA, M.J.N; LIMA, L.C.; MORAES, J. O. Compartimentação Territorial e Gestão Regional do Ceará. Parte I. Fortaleza: FUNECE, 2000.

TRICART, J. Ecodinâmica. Rio de Janeiro: IBGE/SUPREN, 1977.