Voltar à Página da AGB-Nacional

 

 

 

X SIMPÓSIO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA FÍSICA APLICADA

 

UTILIZAÇÃO E CONSERVAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS NO MUNICÍPIO DE ABAIARA –CE.

 

 

ZANELLA-VERÍSSIMO, Maria Elisa - Profa. Ms do Departamento de Geografia-UFC e doutoranda em Meio Ambiente e Desenvolvimento-UFPR - e-mail elizane@ufc.br.

 SAMPAIO, José Levi Furtado – Prof. Dr. do Departamento de Geografia – UFC – e-mail joselevi@uol.com.br

LIMA, João Sérgio Queiroz– Bolsista do PET – Departamento de Geografia – UFC –

  VASCONCELOS,Francisca Maria Teixeira – Bolsista do Laboratório de Rural – Departamento de Geografia- UFC.- e-mail franciscateixeira@ibest.com.br

 

 

Palavras-chave: recursos naturais, degradação ambiental, solos.

 

Eixo Temático: 3 - Aplicação da Geografia à Pesquisa

Sub-eixo: 3.4 – Aplicações Temáticas em Estudos de Caso

 

 

Introdução

 

O município de Abaiara,  localiza-se no sul do Estado do Ceará, no sertão do Cariri.  Seu território está assentado sobre rochas que compõem a Bacia Sedimentar do Araripe, onde se encontra a Chapada do mesmo nome. Parte da área do município ocupa as encostas escarpadas da Chapada, onde os problemas de degradação ambiental se manifestam com maior intensidade, principalmente a erosão dos solos e os desmatamentos. Grande parte da área encontra-se na depressão periférica, onde os sedimentos erodidos das encostas são depositados, causando assoreamento dos pequenos cursos d´água existentes. O clima varia de subúmido a semiárido, encontrando-se vegetação do tipo mata seca nas encostas e caatinga na depressão. Atualmente a cobertura vegetal natural encontra-se praticamente inexistente, sendo substituída por culturas agrícolas de subsistência e também comercial.

Em referido município a utilização dos recursos naturais faz-se de forma intensa, sem preocupação com a degradação do meio ambiente físico, o que tem gerado inúmeros problemas de ordem sócio-ambiental.

Este estudo faz parte de um projeto maior intituilado “Projeto Geohistórico do município de Abaiara” e tem como objetivo analisar os problemas relacionados à utilização e conservação dos recursos naturais no município e a degradação ambiental.

 

Procedimentos Metodológicos

 

Para a realização deste estudo fez-se inicialmente um levantamento bibliográfico sobre o tema e a área analisada. 

A utilização de questionários em campo, junto aos agricultores constituiu-se em uma importante ferramenta para avaliar a experiência e a percepção que os mesmos tinham em relação a utilização e conservação dos recursos naturais. Para melhor captar e analisar a paisagem fez-se perguntas aos habitantes, que dessem conta dos solos, cobertura vegetal, recursos hídricos, os animais e se havia algo ligado a pesca.

O trabalho de campo serviu ainda para a observação direta dos problemas relacionados ao estado de conservação dos recursos naturais e aos problemas ambientais existentes na área.

 

Resultados Obtidos

 

No município de Abaiara a utilização dos recursos naturais faz-se de forma intensa, sem preocupação com a degradação do meio ambiente.

Para melhor compreender questões relacionadas à utilização e conservação dos recursos naturais no município, trabalhou-se com observações diretas, experiência e percepção dos agricultores locais.

De acordo com os resultados da pesquisa ficou  evidenciado que o solo constitui-se no recurso natural mais importante para o município, já que a base econômica de Abaiara é a agricultura. Portanto, torna-se fundamental perceber como se estabelece a relação entre os agricultores e este recurso natural, a fim de poder levantar possíveis dificuldades e problemas na sua utilização. Mediante isto, perguntou-se se no momento da realização do plantio, existe preocupação dos agricultores com a conservação dos solos. Dos 94 agricultores pesquisados, 55% responderam que não, enquanto 45% responderam que sim, conforme mostra o gráfico 1, contudo, a técnica utilizada para conservar o solo,  é não plantar na mesma área todos os anos ou seja, fazer a conhecida e tradicional rotação de terras. Essa técnica contribui para diminuir  o desgaste do solo. Por outro lado, novas áreas são incorporadas para a utilização agrícola, acarretando desmatamentos e queimadas.

 

 

Fonte: Pesquisa Direta, 2002

 

 

Conforme se pode constatar, parte dos agricultores não têm consciência da necessidade de conservação do solo. Foram 55%, os que responderam que não tem preocupação, o que implica na redução da produtividade. Esse problema foi constatado pelos próprios agricultores, pois 75% deles tem observado uma diminuição da produtividade do solo com o passar dos anos, conforme apontam os dados do gráfico 2, o que mostra uma degradação deste recurso natural. As elevadas declividades das encostas da serra, a intensa utilização sem técnicas de manejo adequadas e as constantes queimadas tem contribuído para o aumento da erosão dos horizontes superficiais dos solos, além de perda de matéria orgânica ocasionada pela queima por ocasião do preparo da terra para o plantio. Isso reduz consideravelmente a sua fertilidade natural, repercutindo na diminuição da produção e produtividade agrícola como na condição sócio-econômica dos respectivos produtores rurais.

 

Fonte: Pesquisa Direta,2002.

 

Com relação a utilização dos solos nas margens dos rios e riachos, ficou constatado, que os agricultores tem utilizado estas áreas para o plantio de culturas que se adaptam ao maior grau de umidade. Isso pode ser visualizado no gráfico 3, que indica que 22% dos pesquisados responderam  que os terrenos localizados nas margens dos rios e riachos são cultivados, 29% responderam que parte é usada, outra permanece com vegetação e apenas 14% responderam que toda a área continua com a cobertura vegetal.  Há que se considerar entretanto, que 35% dos agricultores pesquisados  não responderam a esta pergunta,   pela ausência de rios e riachos nas propriedades  que trabalham. Mesmo diante dos resultados apresentados conseguiu-se perceber em campo a inexistência de matas ciliares. O que há são resquícios, tudo foi retirado para que a terra fosse utilizada.

 

 

Fonte: Pesquisa Direta, 2002

 

A utilização das margens dos riachos contribui para a degradação dos recursos hídricos, porque, grande quantidade de material é transportado  para dentro ou retirados das margens do próprio canal fluvial, causando o assoreamento, diminuindo a quantidade e a qualidade da água, além de aumentar o risco de inundações, quando os índices pluviométrico são mais elevados.  Conforme mostra o gráfico 4,  53% dos agricultores informaram existir redução da água nos riachos no decorrer das últimas décadas, fenômeno este que vem se reproduzindo na região do Cariri, na qual está inserido o município.

Os sucessivos desmatamentos, a utilização inadequada dos solos com introdução inadequada de arados nas áreas, e a construção de pequenos açudes que represam as águas, são apontadas como responsáveis pela diminuição das águas nos leitos fluviais.

 

Fonte: Pesquisa Direta, 2002

Com relação a cobertura vegetal, ficou constatado a substituição desta por plantios  agrícolas.

A pesquisa detectou que os animais estão sendo extintos por caçadores e pelo uso de venenos nas plantações. No quadro 1, estão relacionados vegetais e animais que existiam no município e  que estão extintos ou foram reduzido.

 

Quadro 1. Plantas e animais extintos ou reduzidos na área.

Plantas

Animais

Cajazeira

Pitombeira

Pinha

Angico

Timbaúba

Jatobá

Pau D’árco

Cedro

Tamarindo

Juazeiro

Mandacaru

mangueira

Goiabeira

Onça

raposa

peba

tatu

camaleão

veado

cutia

guará

caçaco

tamanduá

gato do mato

preá

codorna

anta.

Fonte: Pesquisa Direta, 2002.

 

Apesar de inúmeras espécies de plantas e animais não existirem mais ou estarem reduzidas na área ainda existem vários animais na região. A Quadro 2  relaciona os mais observados pelos agricultores.

 

Quadro 2 – Animais observados na região.

Peixes

Répteis

Anfíbios

Aves

Mamíferos

piaba, traíra, curimatã, cará, tilápia, muçum.

tejo, camaleão, cobra, calango, piolho de cobra.

sapo.

urubu, garça, pardal, rolinha, juriti, campoina, gola, bem-te-vi, nambu, codorna, anum, gavião, beija-flor,  canário, tico-tico, sabiá, rouxinol, graúna, piriquito,patativa, azulão.

preá, macaco, cutia, coelho, raposa, guaxinim, morcego, tatu, peba, caçaco.

Fonte: Pesquisa Direta

 

Algumas espécies de animais são caçadas e utilizadas como alimento, tais como: o veado, quase extinto na área; o tatu, a peba e o tejo conhecido como tiu, são espécies reduzidas consideravelmente; as aves:  rolinha, nambu, cordonis  são raras. A raposa, o gato do mato, e a cobra jaracussu, são animais caçados, porém não utilizados  no cardápio do abaiarense.  A atividade de pescador é realizada por poucos dos pesquisados, porque a predominância é de trabalhadores rurais.

Algumas frutas são vendidas pelos agricultores e contribuem para melhorar a renda familiar. Por ordem de importância as utilizadas economicamente são as seguintes: siriguela, manga, coco, acerola, umbu, goiaba, cana, caju, banana e pinha. Tais frutas abastecem o mercado regional, contudo o município deixou de plantar fruteiras.

A madeira retirada das matas e capoeiras é transformada em lenha, para consumo doméstico e para construção de cercas. Poucos utilizam-na para venda ou para outros fins (gráfico 5).

 

Fonte: Pesquisa Direta, 2002.

 

O levantamento feito sobre os peixes mostrou que estes são aproveitados para alimentação, sendo que o excedente é vendido, apesar desta atividade ser insignificante em Abaiara. Ela é realizada principalmente nos dois pequenos acúdes contruídos no município. Os principais peixes aproveitados são: traíra, tilápia, piaba e curimatá. A pesca é realizada principalmente com anzol e tarrafa.  Segundo os que realizam a pesca, a quantidade de peixes tem diminuído nos últimos anos, por falta de água nos açudes e a intensificação da  pesca.

Com relação à utilização dos recursos hídricos, observa-se que as pessoas pesquisadas utilizam a água subterrânea para consumo: 58%, retiram das cacimbas cavadas próximas das residências ou no leito dos riachos e 42%, de poços profundos doados pelo governo do Estado através de recursos do Projeto São José (gráfico 6). É importante ressaltar que parte significativa dos entrevistados têm acesso a água e não utilizam a dos açudes porque esta é contaminada.

 

Fonte: Pesquisa Direta, 2002.

 

Os problemas ambientais mais destacados pelos  pesquisados foram, por ordem de importância:

-         erosão dos solos;

-         retirada de areia dos riachos;

-         depósitos de lixo;

-         retirada de argila para tijolos e telhas e

-         poluição das águas.

 

A erosão dos solos, levantada como o problema ambiental mais grave, deve-se a retirada da cobertura vegetal e a utilização dos solos sem técnicas de manejo adequadas, principalmente em vertentes de alta declividade, contribuindo para  o aumento do escoamento superficial e a retirada dos horizontes superficiais. Como conseqüência, os solos ficam depauperados e os riachos assoreados, repercutindo na qualidade dos recursos hídricos superficiais. Em quase todos os riachos do município foi observado o problema do assoreamento, principalmente na área da baixada (depressão periférica), onde os sedimentos ficam depositados.

Assim sendo, algumas medidas conservacionistas poderiam ser tomadas para minimizar os problemas ambientais gerados pela utilização inadequada dos recursos naturais.  Formas menos degradantes, como o plantio de culturas agrícolas em curvas de nível podem reduzir o desgaste dos solos. A recomposição de pequenos áreas com replantio da vegetação ciliar principalmente às margens dos riachos também é importante. É necessário estabelecer Programas de Educação Ambiental nas escolas para que os abaiarenses tomem consciência dos problemas e apontem possíveis soluções coletivamente e de forma participativa.

 

 

Considerações Finais

 

Conforme constatado na pesquisa realizada, vários são os problemas ambientais e dos recursos naturais no município de Abaiara. Entretanto, destaca-se a degradação dos solos, problema este, apontado pelos próprios agricultores e também pelas observações diretas constatadas em campo. Isto se deve a retirada da cobertura vegetal e a substituição desta por plantios agrícolas, que são realizados sem técnicas de manejo adequadas, principalmente em encostas de maior declividade, contribuindo para o aumento do escoamento superficial e a retirada dos horizontes superficiais dos solos.  Além do empobrecimento dos solos, uma maior quantidade de sedimentos é introduzida nos canais fluviais, causando assoreamento, o que interfere na quantidade e qualidade dos recursos hídricos superficiais do município, inclusive na ocorrência de inundações.

O solo constitui-se em um dos recursos naturais mais importante no município, já que a base econômica de Abaiara é a agricultura. Desta maneira, medidas conservacionistas deveriam ser discutidas de forma participativa e implementadas no município, o que contribuiria para uma diminuição do desgaste dos solos e  uma maior produção e produtividade agrícola e, conseqüentemente, melhorias nas condições sócio-econômicas dos produtores rurais.

 

 

BIBLIOGRAFIA CONSULTADA

 

BRANDÃO, R.L. Diagnóstico Geoambiental e os principais problemas de ocupação do meio físico da RMF. Foprtaleza:CPRM, 1995.

 

FCPC/SEMACE. Diagnóstico e macrozoneamento Ambiental do Estado do Ceará. V.1. Fortaleza:FCPC, SEMACE, 1998.

 

GOMES-FERNANDES, A .  Unidades fito-ecológicas e aspectos relativos ao uso, ocupação e estado de conservação. In: Diagnóstico e Macrozoneamento Ambiental do Estado do Ceará. Fortaleza, FCPC,SEMACE, 1998.

 

SAMPAIO, J.L.; VERÍSSIMO, M.E.Z. E SOUZA, M. S.     A Comunidade Tremembé: Meio Ambiente e Qualidade de Vida. Ed. INESP, Fortaleza, 2002.

 

SILVA, E.V.; TELES, M.S.L.; VERÍSSIMO, M.E.Z. E PEREIRA, R.C..M. Caracterização dos elementos naturais da paisagem e utilização dos recursos naturais. In: SAMPAIO, J.L. VERÍSSIMO, M.E.Z. E SOUZA, M.S. A Comunidade Tremembé: Meio Ambiente e Qualidade de Vida. Ed. INESP, Fortaleza, 2002.