Voltar à Página da AGB-Nacional

 

 

 

X SIMPÓSIO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA FÍSICA APLICADA

 

A INTERVENÇÃO ANTRÓPICA NA DINÂMICA DA PAISAGEM NA ÁREA DO MUNICÍPIO DE PAÇO DO LUMIAR-MARANHÃO

 

Marcia Silva Furtado, Curso de Geografia NEPA/UFMA, marcinhageo@hotmail.com

Neilianne de F. Costa Lima, Curso de Geografia NEPA/UFMA, neilianne@hotmail.com

Lílian Daniele P. Gonçalves, Curso de Geografia NEPA/UFMA, lilipantoja@bol.com.br

Antônio Cordeiro Feitosa, DEGEO/NEPA/UFMA.

feitos@terra.com Nepa@ufma.br

 

 

Palavras-chave: intervenção antrópica, Paço do Lumiar

Eixo Temático: 3 - Aplicação da Geografia à Pesquisa

Sub-eixo: 3.4 – Aplicações Temáticas em Estudos de Caso

 

 

Apoio do CNPq

 

 

1  INTRODUÇÃO

 

O homem, sempre interferiu no meio, pois para suprir suas necessidades, sempre maiores , ele passou a produzir e criar o seu próprio ambiente através de técnicas cada vez mais eficientes. No entanto, foi a partir do processo de industrialização e crescimento populacional que essa intervenção se intensificou, refletindo em danos, tais como poluição e degradação de ecossistemas.

Para Feitosa (1989:107), a influência do homem sobre os demais fatores ambientais vem resultando, progressivamente, em transformações cada vez mais amplas e efetivas, tornando irreversíveis as possibilidades de recuperação de ambientes naturais extintos ou intensamente devastados.

Paço do Lumiar, um dos quatro municípios que compõem a Ilha do Maranhão, tem enfrentado um processo de aceleração da modelagem de sua paisagem devido a atuação de diversos agentes e processos morfogenéticos, entre os quais, evidencia-se a atuação antrópica.

Localizado na porção leste da ilha do Maranhão, Paço do Lumiar limita-se a Norte com o município da Raposa e a Leste, Sul e Oeste com o município de São José de Ribamar, sendo delimitado pelas seguintes coordenadas geográficas: 2º28’12” e 2º32’58” de Latitude Sul e 44º10’18” e 44º03’14”de Longitude Oeste (Figura 01).

Neste trabalho, faz-se uma abordagem acerca dos diversos agentes e processos morfogenéticos que têm atuado na modelagem da área em estudo, enfatizando-se a ação do homem, uma vez que ele vem contribuindo consideravelmente na dinâmica da paisagem deste município, principalmente nas últimas três décadas em função do incremento populacional.

 

 

Figura 01 – Mapa de localização

 

2 METODOLOGIA

 

Para realização do presente estudo foram efetivadas as seguintes etapas: levantamento de conteúdos bibliográficos e cartográficos referentes à ação de agentes e processos morfogenéticos que interagem na estruturação e modelado da paisagem na área do município de Paço do Lumiar, especialmente os processos derivados da ação antrópica, haja vista que configuram-se como os mais intensos;

Elaboração de cartas temáticas das áreas de geologia, geomorfologia, drenagem e uso e cobertura da terra, como instrumentos necessários para a melhor visualização da realidade ambiental. Para confecção das cartas utilizaram-se as folhas 8, 9, 10, 16, 17, 18, 25, 26, 27, da carta planialtimétrica preliminar, elaborada pelo Serviço Geográfico do Ministério do Exército – DSG/ME, na escala 1:10.000, com curvas de nível em intervalos de 5, em 1976.

As diferentes escalas dos documentos cartográficos foram compatibilizadas para a escala 1: 50.000 com o auxílio do pantógrafo profissional, marca Trident, objetivando localizar a área de estudo, bem como, visualizar os deferentes elementos da paisagem tais como: hidrografia, vegetação, relevo e uso e ocupação do solo.

E atividades de campo que foram realizadas com o objetivo de conhecer melhor a realidade do município, detectando os principais processos responsáveis pela mudança na paisagem e os agentes atuantes, destacando a intervenção do homem.

Durante o percurso realizado, no trecho compreendido entre a sede do município de Paço do Lumiar até povoados como Pindoba, Mocajituba e Iguaíba, foi feito reconhecimento de características da área, bem como registro de alguns dados importantes, além de medições de parâmetros fluviais em pontos do rio Paciência e Santo Antônio com o objetivo de obter a vazão, velocidade e profundidade dos mesmos.

Os trechos para medição dos rios foram selecionados considerando-se alguns critérios, tais como, compreenderem dez metros retilíneos, fluxo livre da presença de obstáculos como vegetação e rochas.

No decorrer dos trabalhos de campo foram utilizados alguns instrumentos como máquina fotográfica, bloco de anotações, higrômetro, termômetro, trena, régua e flutuador para mensuração de parâmetros.

 

3 RESULTADOS E DISCUSSÕES

 

Por localizar-se próximo à linha do Equador, o município de Paço do Lumiar recebe influência direta das massas de ar Equatorial Atlântica e Equatorial Continental, originadas nas regiões de baixas latitudes, onde convergem os alísios de nordeste e de sudeste. O clima corresponde é o Tropical Úmido, caracterizado por dois períodos bem distintos: um chuvoso com alto índice pluviométrico, que se estende de janeiro à junho e outro seco, que vai de julho a dezembro.

Segundo Guerra (1997:144), a ação dos fatores geomorfológicos individuais depende de todas as relações do clima da paisagem. Portanto, é fundamental o conhecimento dos agentes climáticos no estudo da dinâmica da paisagem.

A área em estudo, por se encontrar em uma região de baixa latitude, apresenta altas temperaturas que implica na intensificação dos processos modeladores. Pois, a absorção do calor acelera o intemperismo mecânico nas partes secas e o químico nas partes úmidas.

Geologicamente, a área do município de Paço do Lumiar é constituída por rochas da Série Barreiras e Formação Itapecuru, possuindo uma litologia sedimentar estratificada, com baixo índice de consolidação, o que contribui para sua vulnerabilidade à ação dos agentes climáticos, que ocorre com muita freqüência e com relativa intensidade na área, facilitando o trabalho dos rios que drenam o município. Esses fatores, concomitantes à ação antrópica, colaboram para a baixa declividade do terreno.

De acordo com Maranhão (1998:04), a reduzida amplitude altimétrica se dá pela atividade de diversos agentes morfogenéticos, dentre os quais se destacam as ações antrópicas, climáticas e oceanográficas, que comandam processos geomórficos de natureza escultural sobre uma litologia predominantemente sedimentar estratificada.

Assim como toda a ilha do Maranhão, o município de Paço do Lumiar sofreu diferentes fases de desenvolvimento durante a evolução morfológica. Suas transformações mais significativas resultaram numa paisagem ponteada de formas residuais, que encerram caracteres de antigos ambientes (FEITOSA, 1989:21).

Os principais agentes morfológicos ligados ao fator oceanográfico são as ondas, correntes e marés. A intensidade da ação destes agentes em uma determinada área depende das condições gerais do ambiente como temperatura, direção do vento, salinidade, amplitude das marés e do relevo, estrutura geológica, dentre outros.

Na área de estudo há uma atuação dos agentes oceanográficos correntes e marés no baixo curso dos rios Paciência e Santo Antônio, influenciando o modelado da área através da erosão, transporte e deposição de sedimentos.

Os animais e vegetais também atuam no modelado da paisagem, porém secundariamente se comparada com outros fatores morfogenéticos, tais como o climático, sendo essa atuação caracterizada por processos mecânicos e químicos. Na área objeto de estudo, os organismos desencadeiam processos mecânicos realizados através de meteorização física das rochas e de ações erosivas e deposicionais.

A ação dos organismos é controlada por todos os outros fatores e, com maior intensidade, “pelas condições climáticas, que estabelecem os limites responsáveis pela presença ou ausência de determinados organismos” (CHRISTOFOLETTI, 1980:130).

O crescimento da atuação humana levou à extinção de diversas espécies animais, sendo os crustáceos as mais representativas da área, apesar de estarem reduzidas. Esses organismos se encontram nos manguezais que estão dispostos nos baixos cursos dos rios Paciência e Santo Antônio.

Tais rios, assumem papel importante na evolução do modelado da área. Segundo Christofoletti (1980:65), os rios constituem os agentes mais importantes no transporte de materiais intemperizados das áreas elevadas para as mais baixas e dos continentes para o mar. Sua importância é capital entre todos os processos morfogenéticos.

Para Leinz e Amaral (1995:95) a configuração e velocidade de um rio dependem de parâmetros como a topografia; que intervém na declividade do terreno; a quantidade de chuva, a constituição litológica das rochas erodidas pelo rio e estágio erosivo do mesmo.

Estudos dos parâmetros morfométricos dos rios Paciência e Santo Antônio estão sendo realizados com intuito de  caracterizar a evolução e transformação dessa área através da dinâmica de transporte, deposição de sedimentos no transcorrer dos anos.

A poluição desses rios se constitui um dos problemas mais sérios causados pela ação antrópica, sendo resultado de uma crescente urbanização experimentada pelo município, notadamente nas três últimas décadas (Gráfico 01), em virtude do incremento populacional da ilha, uma vez que o desenvolvimento de projetos como Carajás permitiu a instalação de indústrias na mesma, atraindo uma leva de imigrantes. Com isso, áreas mais afastadas do centro urbano, como é o caso do município de Paço do Lumiar, passaram a ser ocupadas.

 

Gráfico 01 – Crescimento populacional do município de Paço do Lumiar  (Fonte: IBGE)

 

 

Para atender às necessidades da crescente população foram criados alguns conjuntos habitacionais como o Maiobão , que abriga quase a totalidade da população do município de Paço do Lumiar. Por falta de estrutura adequada, vários prejuizos ambientais foram acarretados na área. Dentre eles, pode-se citar a deposição de lixo e o lançamento de esgoto “in natura” nos rios (Fotos 01 e 02), respectivamente.

 

Foto 01 – Deposição de lixo na margem do rio Paciência

 

 

Foto 02 – Lançamento de esgoto no rio Paciência

 

O lixo, é uma das principais causas de poluição do solo. Por falta de conscientização, as pessoas o acumulam em lugares impróprios e de forma inadequada. Materiais sólidos como plásticos, vidros e metais levam muitos anos para se decompor, provocando sérios danos ao meio. Além destes, produtos químicos como fertilizantes, pesticidas e herbicidas causam desequilíbrio ao ambiente.

Segundo especialistas a melhor forma de reduzir o acúmulo de lixo é investir nos processos de reciclagem e uso de materiais biodegradáveis ou não descartáveis, uma vez que a incineração e os aterros, medidas usadas para amenizar o problema, têm efeitos poluidores, pois emitem fumaça tóxica, no primeiro caso, ou produzem fluidos tóxicos que se infiltram no solo contaminado o lençol freático.

A antiga área de deposição de lixo do município está desativada a algum tempo, porém os efeitos ainda são presentes, principalmente em relação aos horizontes superiores do solo, além da presença de insetos nocivos à saúde. Atualmente, esta área está em processo de recuperação e os problemas são menores, entretanto, outra área já está sendo usada para deposição de lixo (Foto 03).

 

Foto 03  - Antiga área de deposição de lixo

 

No povoado de Pindoba, ainda é freqüente a retirada de barro (silte e argila) para a construção civil. Por ser um processo contínuo, alcança cada vez mais um estágio avançado (Foto 04). O material que fica solto é transportado para os rios no período chuvoso, ocasionado a sedimentação dos mesmos.

 

Foto 04 –  área de extração de barro (silte e argila)

  

4 CONSIDERAÇÕES FINAIS

 

A alteração da paisagem do município de Paço do Lumiar vem ocorrendo em função da ação conjunta de diversos agentes morfogenéticos que atuam através de processos químicos, físicos e bióticos, como intemperismo e sedimentação.

As características físicas da área, tais como a litologia sedimentar, temperaturas elevadas, alto índice pluviométrico, dentre outras, favorecem a constante mudança. No entanto, é o homem que tem se configurado como agente mais eficaz na transformação da paisagem local, principalmente nas últimas décadas, em função da crescente ocupação.

Tal ocupação é feita desordenadamente, uma vez que o rápido incremento populacional ocorrido nos últimos anos não recebeu estrutura adequada do município, o que acarreta sérios prejuízos ao ambiente, dentre os quais destaca-se a poluição das águas, através do despejo de esgoto e lixo nos rios, e do solo, devido ao acúmulo de lixo em áreas impróprias.

A baixa declividade e altitude da área permite o uso do solo para diversos fins. Tal fator ligado à falta de conscientização da população e de uma política pública eficaz leva ao encadeamento de processos erosivos e deposicionais, desmatamento, colmatagem e extração mineral, mais precisamente barro e pedra.

A ação antrópica também é bastante nítida em relação aos rios Paciência e Santo Antônio, que assumem papel importante no modelado da área. É intenso o processo de degradação desses rios e de seus afluentes. A mata galeria em alguns trechos é totalmente inexistente e a presença de lixo acumulado nas margens é constante. Os seus cursos diminuem a cada dia o que faz crescer a preocupação em relação ao futuro desses rios e consequentemente da população que depende deles direta e indiretamente.

Desde o século XVII quando a ilha do Maranhão começou a ser ocupada, primeiramente por colonizadores, sua hidrografia passou a enfrentar um processo de degradação ambiental, que vem se intensificando, principalmente nas três últimas décadas, devido o crescimento desajustado da população.

A atuação do homem na dinâmica da paisagem do município de Paço do Lumiar é cada vez mais intensa. Essa intervenção acentuada e, em grande parte, irresponsável, tem provocado sérios problemas ao ambiente. Faz-se necessário um trabalho conjunto entre poder público e da população, com a orientação de especialistas das diferentes áreas temáticas envolvidas, para por em prática medidas corretivas e preventivas que favoreçam a conservação dos recursos naturais e a manutenção e recuperação das características ambientais, como forma de melhor viabilizar a própria sobrevivência humana na área.

 

 

5  REFERÊNCIAS

 

BRASIL,IBGE. Censo Demográfico do Maranhão de 1970. Rio de Janeiro, IBGE, 1971.

 

BRASIL,IBGE. Censo Demográfico do Maranhão de 1980. Rio de Janeiro, Fundação IBGE, 1981.

 

BRASIL, IBGE. Censo Demográfico do Maranhão de 1990. Rio de Janeiro, Fundação IBGE, 1991.

 

BRASIL. Censo Demográfico do Maranhão de 2000. Rio de Janeiro, Fundação IBGE.

 

BRASIL. Secretária do Estado do Meio Ambiente e turismo. Diagnóstico dos principais problemas ambientais do estado do Maranhão. São Luís: 1991.189 p.

 

CHRISTOFOLETTI, Antônio. Geomorfologia. São Paulo: Edgar Blücher, 1982. 150p.

 

DUARTE, Paulo Araújo. Cartografia Básica. Florianópolis: EDUFSC, 1988. 2ºed., 183p.

 

FEITOSA, Antônio Cordeiro. Dinâmica dos Processos geomorfológicos da área costeira a nordeste da ilha do Maranhão. Rio Claro: IGCE - Cp - UNESP, 1996. 249p.

_________________. Maranhão primitivo: Uma tentativa de reconstrução. São Luís: Editora Augusta, 1983. 142p

 

_________________. Evolução geomorfológica do litoral norte da ilha do Maranhão. Rio claro: IGCE - Cp - UNESP, 1989. 210p.

 

FÔNSECA, Alexandre V. de Lima. Importância dos mapas base para os estudos ambientais do município de São Luís. São Luís: 1993, 54 p. monografia de pós-graduação. DG-UFMA.

 

GUERRA, Antonio Teixeira. Dicionário Geológico-Geomorfológico. 7a ed., Rio de Janeiro, IBGE, 1987.

GUERRA, Antônio José Teixeira, CUNHA, Sandra B. da. Degradação Ambiental. In: GUERRA, Antônio José Teixeira, CUNHA, Sandra B. da. Geomorfologia e Meio Ambiente. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1996. p. 337-376.

 

________. Geomorfologia fluvial. In: CUNHA, Sandra Baptista da, GUERRA, Antonio José Teixeira (Orgs.). Geomorfologia: exercícios, técnicas e aplicações. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1996. p. 157-188.

 

_______________. Geomorfologia: uma atualização de bases e conceitos. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 1994. 472p.

 

________. Geomorfologia e Meio Ambiente. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil,1996. 394p.

 

LEINZ, Viktor , AMARAL, Sérgio Estanislau do . Geologia Geral. 8ª ed. São Paulo: Editora Nacional, 1980. 397p.

MARANHÃO. ‘’Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos’’. Diagnóstico ambiental da microrregião da aglomeração urbana de São Luís e dos Municípios de Alcântara, Bacabeira e Rosário. São Luís, 1998.

 

ROSS, Jurandir L. S. Geomorfologia: ambiente e planejamento. São Paulo: contexto, 1990. 84p.

 

SUGUIO, Kenitiro. Rochas Sedimentares: propriedades, gênese, importância econômica. 4. reimp. São Paulo: Edgard Blücher, 1994.