1.  

     

    Voltar à Página da AGB-Nacional

     

     

    imprimir o artigo

    E3-3.4T136

     

    X SIMPÓSIO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA FÍSICA APLICADA

     

     

    ANÁLISE GEOAMBIENTAL E AS EVIDÊNCIAS DE DEGRADAÇÃO/DESERTIFICAÇÃO EM CANINDÉ - CEARÁ

     

     

    Érika Gomes Brito, Universidade Estadual do Ceará - Mestrado Acadêmico em Geografia, erikagb2003@yahoo.com.br

     

     

    Prof.a. Dra. Vládia Pinto Vidal de Oliveira, Universidade Federal do Ceará, vladiapinto@secrel.com.br

     

     

    Palavras chave: Análise Geoambiental, Degradação Ambiental, Desertificação

     

    Eixo Temático: 3 - Aplicação da Geografia à Pesquisa

    Sub-eixo: 3.4 – Aplicações Temáticas em Estudos de Caso

     

     

     

    INTRODUÇÃO

    O Município de Canindé, localizado na microrregião dos Sertões Centrais, está inserido na porção semi-árida do território cearense, distando 113 Km2 de Fortaleza, a capital do estado. Porém, o longo processo histórico de uso e ocupação, verificado não só no município, mas também no estado e em toda a Região Nordeste, as práticas agrícolas rudimentares em associação às próprias condições ambientais adversas condicionados pela semi aridez estão contribuindo para uma crescente e contínua degradação dos recursos naturais do município, tendendo a evoluir para estágios mais alarmantes como o desencadeamento de processos de desertificação.

    Dentro de uma análise integrada dos componentes ambientais, tais como os aspectos geológicos, geomorfológicos, hidroclimáticos, pedológicos e cobertura vegetal, as formas de uso e manejo dos recursos naturais, que evidências podem ser vislumbradas para determinação dos aspectos e intensidade de degradação ambiental/desertificação dos recursos naturais na depressão sertaneja situada no município de Canindé?

    Na perspectiva de uma melhor viabilização do estudo, haja vista a grande extensão do município de Canindé, cerca de 3.205,4 Km², procurar-se-á concentrar a análise da degradação/desertificação sobre o Distrito-Sede, situado na depressão sertaneja, paisagem de expressão da região semi-árida nordestina.

    Partindo de que, a degradação ambiental/desertificação está relacionada com o processo histórico de uso e ocupação do espaço, as análises obedecerão a uma escala temporal média dos últimos 15 anos.

     

    OBJETIVOS

    Diante do exposto, este estudo tem como objetivo principal detectar as evidências de degradação ambiental/desertificação dos recursos naturais na depressão sertaneja do município de Canindé e suas implicações para o meio físico - biótico e qualidade de vida da população afetada. Para tanto procurar-se-á:

     

    1. Analisar a dinâmica do ambiente para averiguação da vulnerabilidade e sustentabilidade dos recursos naturais; Avaliar o estado de conservação/degradação do meio físico - biótico através de análise geoambiental integrada;

    2. Identificar áreas propensas e/ou afetadas pela degradação/desertificação provocados pelo uso, ocupação e exploração da terra;

    3. Estabelecer parâmetros correlativos entre degradação do ambiente e qualidade de vida da população, a partir da avaliações das formas de uso e ocupação;

    4. Elaborar documentação cartográfica do atual quadro de conservação/degradação dos componentes naturais através da utilização de ferramentas da Cartografia Digital, Sensoriamento Remoto e Sistema de Informação Geográfica;

    5. Recomendar práticas para um manejo adequado dos recursos naturais que dispõe a área de estudo, visando o controle de processos de degradação ambiental/desertificação dentro de uma perspectiva de um modelo econômico sustentado.

     

    MATERIAIS E PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

     

    MATERIAIS

     

    Para a coleta, tratamento e maior desempenho dos dados empíricos, serão necessários os seguintes materiais e equipamentos:

     

    1. Bibliografia referente ao objeto e unidade geográfica;

    2. Fichas e diário de campo para caracterização geoambiental da área de estudo;

    3. Mapas de levantamento de recursos naturais para elaboração de mapas temáticos;

    4. Cartas planialtimétricas, contendo dados sobre a hipsometria, recursos hídricos, cidades e aglomerados urbanos para elaboração de base cartográfica municipal;

    5. Imagens orbitais para comparação evolutiva do uso e ocupação do solo e atualização do quadro de degradação ambiental dentro da série histórica pré-determinada;

    ¨ Software’s de edição de texto; geração de planilhas para banco de dados; editoração, tratamento e criação de desenhos técnicos, incluindo mapeamentos e imagens como o Word, Excel, AutoCAD Map 2000, CorelDraw e ArcView para desenvolvimento dos Sistemas de Informações Geográficas (SIG).

     

    EQUIPAMENTOS

     

    Para melhor operacionalidade dos trabalhos In locu e de gabinete alguns equipamentos serão necessários, tais como:

     

    ¨ Máquina digital para documentação fotográfica do campo empírico;

    ¨ GPS para georreferenciamento espacial;

    ¨ Processador e Impressora para armazenamento, processamento e saída de dados;

    ¨ Scanner para obtenção, tratamento e formatação de imagens.

     

    PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

     

    O tratamento analítico do dados obedecerão os seguintes procedimentos metodológicos a fim de viabilizarem a concretização dos objetivos propostos:

     

    1. Revisão bibliográfica sobre o objeto ao longo de toda a pesquisa;

    2. Levantamento dos trabalhos de campo in locu para comprovação da verdade terrestre, obtida da análise dos produtos de Sensoriamento Remoto e atualização da realidade exposta em mapas e documentos referentes à área de estudo;

    3. Utilização da Teoria Geossistêmica e Princípios Ecodinâmicos para a identificação, delimitação e classificação das Unidades de paisagem, possibilitando a averiguação dos processos da dinâmica ambiental atual, segundo as categorias de ambiente;

    4. Elaboração da Análise Geoambiental Integrada, que possibilitará maior praticidade e aplicabilidade ao estudo de processos de degradação/desertificação, com a hierarquização têmporo - espacial das unidades de paisagem, sobre através dos elementos naturais e suas conexões;

    5. Enfoque da vulnerabilidade e sustentabilidade ambiental do ponto de vista qualitativo, destacando-se os recursos naturais, conforme as seguintes condições: a) potencial geoambiental e limitações de uso dos recursos naturais disponíveis; b) condições ecodinâmicas e vulnerabilidade ambiental; c) indicadores quanto ao uso compatível do solo de cada unidade geoambiental;

    6. Utilização de ferramentas de geoprocessamento e cartografia básica para elaboração de mapas temáticos e cartas de impactos ambientais da área a partir dos resultados obtidos.

     

    REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

     

    GUERRA, A.J.T; CUNHA, S.B. da.; GERHEIM, C. et alii. Geomorfologia e Meio Ambiente. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1996.

     

    LIMA, M. A. de. Planejamento Urbano: Utilização de Sistema de Informação Geográfica-SIG na Avaliação Socioeconômica e Ecológica-Um Estudo de Caso. In: Economia do Meio Ambiente: Políticas Ambientais, 1996.

     

    ONU, Agenda 21 - Capítulo 12: Manejo De Ecossistemas Frágeis: A Luta Contra A Desertificação E A Seca. In: CNUMAD: Conferência Das Nações Unidas Sobre O Meio-Ambiente E Desenvolvimento. Rio De Janeiro, 1992.

     

    SOUZA, M.J.N. Teoria e Métodos em Geografia Física - Notas de Aula. Fortaleza: UECE, 1999.

     

    VASCONCELOS SOBRINHO, J. Metodologia para identificação de processo de desertificação: manual de indicadores. Recife, SEMA/SUDENE, 1978.