Voltar à Página da AGB-Nacional


 

 

 

X SIMPÓSIO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA FÍSICA APLICADA


 

ANÁLISE MULTITEMPORAL DA COBERTURA VEGETAL DO MUNICÍPIO DE BARREIRINHAS-MA UTILIZANDO TÉCNICAS DE SENSORIAMENTO REMOTO E SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA



José Renato Silva Foicinha renatofoicinha@bol.com.br
Elcylene Mendes Rodrigues elcylenerodrigues@bol.com.br


Curso de Geografia-UFMA

 

 

 

Palavras-chave: vegetação, sensoriamento remoto, SIG's.

Eixo 3: Aplicação da Geografia Física à Pesquisa
Sub-eixo 3.4: Aplicações temáticas em estudos de casos

 



 

INTRODUÇÃO

As constantes agressões a biodiversidade brasileira causaram uma redução desse patrimônio. Essas agressões se expressam principalmente através do desmatamento proveniente de atividades agropecuárias e de urbanização crescente.
No tocante ao município de Barreirinhas, a vegetação desempenha um importantíssimo papel para o equilíbrio ambiental e a sua retirada, feita de forma indiscriminada, pode causar danos irreversíveis. E pode ser perfeitamente observada e monitorada através dos produtos de sensores orbitais, obtidos em diferentes épocas.
O sensoriamento remoto segundo Rosa,(1997) pode ser definido como sendo “a utilização de sensores para a aquisição de informações sobre objetos ou fenômenos sem que haja contato direto entre eles.”
No Brasil o sensoriamento remoto tomou impulso com o projeto Radambrasil, que tinha o objetivo de fazer um levantamento dos recursos naturais do país e devido a sua extensão territorial e aos custos essa técnica foi utilizada.
Desde o princípio de sua existência o homem interage com a natureza modificando a e transformando-a conforme as suas necessidades, essa modificação se reflete principalmente na retirada da cobertura vegetal, que para COELHO NETO,(2001) “ a cobertura vegetal tem como uma de suas múltiplas funções o papel de interceptar parte da precipitação pelo armazenamento de água nas copas arbóreas e/ou arbustivas.”
Segundo BASTOS e FREITAS,(2001). “Removendo-se a cobertura vegetal de uma determinada área, reduz-se instantaneamente a transferência de nutrientes minerais do solo para a biomassa. A água passa a remover nutrientes do solo por lixiviação e escoamento, enquanto o aporte de águas pluviais sofre um aumento devido à falta de obstáculos que a copa das árvores proporcionavam, suavizando o seu impacto com o solo.”

ÁREA DE ESTUDO

Situado na mesorregião do norte maranhense e na microrregião dos Lençóis Maranhenses, o município de Barreirinhas é delimitado pelas coordenadas geográficas de 43o 01’12” e 42o 51’22” WGR, 02o 24’16” e 3o 13’45” de latitude sul.
Na área abrangida pelo município apresenta uma considerável rede hidrográfica com pequenos rios que deságuam em direção ao PARNA dos Lençóis Maranhenses.
A geomorfologia apresenta relevo suavemente rebaixado e predominantemente aplainado com duas unidades naturais os campos de deflação e Lençois Maranhenses, sendo as principais feições morfológicas: as praias, os lençóis de areia, as dunas, a planície de inundação e lagoas.
Os solos são arenosos compostos por areias quartzozas marinhas e solos indiscriminados de mangue alem de areias quartzozas associadas a manchas de solos concrecionários lateríticos, latossolos e podzólicos.

METODOLOGIA

A elaboração deste trabalho compreendeu os seguintes procedimentos metodológicos:


1- Levantamento e análise do material bibliográfico referente ao tema, em língua portuguesa e estrangeira em bibliotecas públicas municipais, estaduais e federais.

2- Seleção e aquisição do material cartográfico, tais como: cartas planialtimétricas, fotografias aéreas, e imagens de satélite.

3- Interpretação e análise dos dados obtidos a partir do sensoriamento remoto, sendo as imagens de satélite Landsat TM, resolução de 30 m, nas bandas 3, 4 e 5, composição colorida e órbita/ponto: 220/062, compreendendo os anos de 1984 e 1999. Ainda como subsídios foram utilizadas as cartas DSG’s de numero: 497, 551, 552, 612 na escala de 1:100.000.

4- SIG SPRING 3.6.03 for windows(2003) desenvolvido pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais(INPE):

4.1- Para a obtenção dos mapas temáticos relativos a caracterização e ao desmatamento, primeiro aplicou-se um realce de contraste( equalizar histograma) que é uma maneira de manipulação de histograma que reduz automaticamente o contraste em áreas muito claras ou muito escuras, numa imagem. Expande também os níveis de cinza ao longo de todo intervalo.

4.2- Aplicou-se a classificação supervisionada MAXVER que vem do método estatístico de Máxima Verossimilhança, e é o método de classificação "pixel a pixel" mais comum. Considera a ponderação das distâncias entre médias dos níveis digitais das classes, utilizando parâmetros estatísticos. Para que a classificação por máxima verossimilhança seja precisa o suficiente, é necessário um número razoavelmente elevado de "pixels", para cada conjunto de treinamento.

4.3- utilizou-se como parâmetros as classes temáticas: mangue, restinga, campo cerrado, dunas e água.


RESULTADOS E CONCLUSÕES

Analisando as imagens orbitais, constatou-se que o processo de desmatamento encontra-se vinculado à rede viária antiga e ao longo do rio preguiças . Nota-se ao longo da
rede viária uma grande concentração de áreas sob usos antrópicos. Esta concentração deve-se ao fato de que a expansão dos usos da terra pala distribuição da cobertura vegetal original requer a geração de oportunidades, e ao mesmo tempo uma estrutura tridimensional composta por atividades, pela infra-estrutura necessária para as atividades e a dinâmica de expansão da substituição da cobertura, apresenta padrão de forte aceleração no período de 1998 a 2000.
Os produtos orbitais e os sistemas de informação geográfica são de fundamental
importância nos trabalhos ambientais e mostrou-se muito adequado neste tipo de estudo.
Os dados obtidos nos anos de 1984,1999 e 2002 constituíram-se em uma série temporal de dados de desmatamentos e mostrou-se de fundamental importância para monitoramento.
A Análise dos dados apontou que os fatores que originaram a substituição da cobertura vegetal original por uso da categoria antrópica são interativos e as respostas são complexas.

REFERÊNCIA

COELHO NETO, A.L. Hidrologia de Encosta na Interface com a Geomorfologia. in Geomorfologia: Uma Atualização de Bases e Conceitos/ organização, GUERRA, A. J. T. e CUNHA, S. B. – 4A Ed.- Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.

GUERRA, A.J.T. Processos Erosivos nas Encostas. in Geomorfologia: Uma Atualização de Bases e Conceitos/ organização, GUERRA, A. J. T. e CUNHA, S. B. – 4A Ed.- Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.

IBGE. Barreirinhas. Rio de Janeiro, 1984. P.4.( Coleção de Monografias Municipais).

ROSA,ROBERTO. Introdução ao Sensoriamento Remoto. 3a ed. Uberlândia, ed. da Universidade Federal de Uberlândia, 1997. 117 p.